Busca

Vatican News
Padre Ragheed Ganni mártir em Mosul, Iraque Padre Ragheed Ganni mártir em Mosul, Iraque 

Iraque. Padre Ragheed, morto pelo Isis por não ter fechado sua igreja

Em 3 de junho de 2007, em Mosul no Iraque, após a missa, os terroristas do Estado Islâmico mataram o pároco de 35 anos da Igreja Caldeia do Espírito Santo, Padre Ragheed e três jovens diáconos. No Iraque é considerado “um mártir da Eucaristia, que continuou a celebrar a Missa mesmo durante a perseguição”

Alessandro Di Bussolo - Vatican News

"Quando tenho a hóstia na mão, é Cristo que segura a mim e a todos nós juntos no Seu amor". Padre Ragheed Ganni, um iraquiano de Karemlesh, uma aldeia da Planície de Niníve, tinha 33 anos quando ofereceu o seu testemunho na vigília do Congresso Eucarístico Italiano em Bari, dia 28 de maio de 2005, que tinha como tema a frase dos 49 mártires de Abitene, massacrados durante a perseguição de Diocleciano "Sem domingo não podemos viver". Dois anos depois, em 3 de junho de 2007, logo após o final da missa de Pentecostes, em sua paróquia do Espírito Santo em Mosul, o padre Ragheed foi assassinado pelos terroristas do Ísis junto com três jovens diáconos, Basman Yousef Daud, Wahid Hanna Isho e Gassan Isam Bidawed, depois de afastar a esposa deste último. Em seguida os assassinos colocaram explosivos ao redor de seus corpos para que ninguém pudesse chegar perto. Somente à noite a polícia de Mosul conseguiu retirar os explosivos e recolher os corpos.

Diante dos assassinos: “Não posso fechar a casa de Deus”

Algumas testemunhas dizem que o líder dos terroristas antes de atirar, dirigiu-se a ele: "Eu disse para fechar a igreja, por que você não fechou?" o jovem padre respondeu: "Eu não posso fechar a casa de Deus". "Os terroristas - disse padre Ragheed naquela noite em Bari - pensam em nos matar fisicamente ou pelo menos espiritualmente, fazendo-nos afogar no medo. Por causa da violência dos fundamentalistas contra os jovens cristãos, muitas famílias fugiram. Em tempos de paz tudo é óbvio e se esquece o grande dom que recebemos. Com a violência do terrorismo, descobrimos que a Eucaristia, o Cristo morto e ressuscitado, nos dá a vida. E isso nos permite resistir e ter esperança".

Concluída a fase diocesana para a beatificação

Ragheed nasceu em Karemlesh dia 20 de janeiro de 1972. Formou-se em engenharia na universidade local em 1993, de 1996 a 2003 estudou teologia em Roma na Pontifícia Universidade de São Tomás de Aquino, obtendo a licença em teologia ecumênica. Além do árabe, ele era fluente em italiano, francês e inglês. Foi correspondente da agência internacional "Asia News" do Pontifício Instituto para Missões Estrangeiras. Em 22 de abril de 2017, na celebração em memória dos novos mártires na Basílica de São Bartolomeu em Roma, o Papa Francisco usou a estola vermelha do padre Ragheed. Em 1º de março de 2018, a Congregação para as Causas dos Santos aprovou o encaminhamento da causa de beatificação para ele e seus diáconos, solicitada pelo Bispo caldeu de Detroit, Monsenhor Francis Kalabat.  Em 27 de agosto de 2019, terminou a fase diocesana da causa. A Igreja Caldeia o recorda ao lado de seu bispo, Dom Paulos Faraj Rahho, sequestrado em 29 de fevereiro de 2008 e encontrado morto duas semanas depois.

Livro sobre o padre Ragheed
Livro sobre o padre Ragheed

Um mártir da Eucaristia

O padre Rebwar Basa, seis anos mais jovem do que o padre Ragheed Ganni foi seu aluno em Bagdá, e em 2017 por ocasião dos 10 anos da morte do sacerdote mártir escreveu o livro “Um sacerdote católico no Estado Islâmico: a história do padre Ganni”. O livro foi publicado pela “Ajuda à Igreja que Sofre”. Para o padre Basa, ele foi “um mártir da Eucaristia”.

Padre Rebwar Basa: Certamente podemos defini-lo como um novo mártir da Eucaristia, porque antes de tudo a Eucaristia está no centro da vida de todo cristão e especialmente na vida de um sacerdote. Padre Ragheed viveu isso perfeitamente: celebrou a missa mesmo nos momentos mais difíceis, quando sua vida estava ameaçada. Muitas vezes sua igreja foi atacada, ele perdeu seus entes queridos, seus fiéis, e apesar disso ele continuou a celebrar a Missa. Porque sabia que sem a Eucaristia não há vida para um cristão, não há unidade, não há comunhão com Cristo e com toda a Igreja. É por isso que padre Ragheed sempre celebrou a Santa Missa com alegria e deu um grande testemunho, mesmo nos momentos de perseguição. Durante 5 anos ele resistiu e sua última ação foi a Santa Missa: ele deu a comunhão aos seus fiéis e logo em seguida foi morto com os três diáconos. Assim ele também deu seu sangue por Jesus, pela Igreja e por seus fiéis. Portanto, ele é verdadeiramente um mártir da Eucaristia.

Incêndios nos campos cultivados por cristãos em Mosul
Incêndios nos campos cultivados por cristãos em Mosul

O que o padre Ragheed deixou no senhor que nos que o conheciam, mas também a toda a Igreja Caldeia iraquiana?

Padre Rebwar Basa: Todos os que o conheceram, toda a Igreja Caldeia, mas também o Iraque têm um sentimento de dívida para com o padre Ragheed porque ele amava o Iraque e a Igreja do Iraque e deu sua vida pela Igreja e pelo seu povo iraquiano. Nós lhe agradecemos, e sempre tentamos seguir seu exemplo. Para nós ele é um símbolo de como ser verdadeiros cristãos, como servir, como dar vida, como amar até mesmo os inimigos e como ser protagonistas que defendem os direitos humanos, que defendem os pobres, os oprimidos e os que precisam de ajuda.

05 junho 2020, 12:44