Busca

Vatican News

Bozanić: Covid-19 e terremoto desafiam educação futura de crianças e jovens

"É importante que durante a educação possamos oferecer a crianças e estudantes conhecimentos e conteúdos que os capacite e os prepare para enfrentar situações como estas e outras experiências de vida imprevisíveis". Neste contexto, afirma o arcebispo de Zagreb, na Croácia, cardeal Josip Bozanić, a educação escolar religiosa pode oferecer conteúdos que os oriente e revele um significado mais profundo na vida

Vatican News

“O final deste ano letivo permanecerá profundamente gravado na memória de todos, principalmente dos alunos, não apenas porque foram obrigados a deixar suas escolas e a continuar sua aprendizagem on-line, mas também por causa das experiências extraordinárias de vida, devido à pandemia da Covid-19 e ao terremoto devastador, que atingiu o centro de Zagreb e seus arredores”. Estas palavras do arcebispo de Zagreb, cardeal Josip Bozanić, são uma síntese da sua carta, dirigida aos pais dos alunos, antes do final do ano letivo, que destaca a importância da educação na fé para a formação integral das crianças.

Pandemia e terremoto

Diante da difusão da pandemia do coronavírus, o primeiro-ministro da Croácia, Andrej Plenković, havia anunciado que, a partir de 16 de março, todos os jardins de infância, escolas e faculdades seriam fechados. A seguir, em 22 de março, um terremoto de magnitude 5,4 graus, o mais forte desde 1880, atingiu Zagreb. Os tremores duraram seis dias consecutivos e foram sentidos até no sul da Eslovênia. Dois acontecimentos, que para o cardeal croata, marcaram a vida de muitas famílias, mas, sobretudo, de muitos jovens, que viveram a “experiência desafiadora do isolamento e restrição de movimento, mais do que a aprendizagem à distância ou on-line”.

O cardeal recorda que crianças e estudantes tiveram que enfrentar o medo de doenças, solidão, isolamento, impossibilidade de se locomover e se socializar entre si; além do mais, muitos se depararam com o terremoto, destruição e perda do próprio lar. No entanto, explica o purpurado, também tiveram que se questionar sobre o que não tem uma resposta, baseada em definições ou conhecimentos técnicos, como “a questão das limitações humanas, fragilidade, impotência, medo, sofrimento, morte...”.

O que realmente é mais importante na vida

Ao constatar a importância do testemunho de solidariedade, generosidade, cuidado, sacrifício de pessoas, agentes de saúde, voluntários ou instituições de caridade, o cardeal Bozanić afirma, em sua mensagem, que crianças e estudantes puderam perceber "o que realmente é mais importante na vida de uma pessoa, família, comunidade e sociedade, e aprender, com uma situação específica, como ser bons, atenciosos, sensíveis, solidários, abnegados, generosos e corajosos”.

“Portanto, escreve ainda o Cardeal croata, é importante que, durante a educação, possamos oferecer, a crianças e estudantes, conhecimentos e conteúdos que os capacite e os prepare para enfrentar situações como estas e outras experiências de vida imprevisíveis". Neste contexto, afirma, a educação escolar religiosa pode oferecer conteúdos que os oriente e revele um significado mais profundo na vida.

A pessoa humana e sua dignidade no centro de tudo

O cardeal de Zagreb destaca também em sua carta que "a educação religiosa é parte integrante e viva do currículo escolar; sua presença na escola é um sinal de 'secularismo positivo' da sociedade e seu lugar é inestimável na educação e na formação de crianças e jovens”. Acrescenta ainda que, sem uma dimensão religiosa, não há uma educação completa: “O ensino religioso católico incentiva a reflexão sobre o significado mais profundo da existência humana, para além do conhecimento individual, e ajuda a encontrar um significado único, colocando a pessoa humana e a sua dignidade ao centro de tudo”.

Por fim, o Cardeal Bozanić recorda que "Jesus Cristo oferece a chave para entender-nos a nós mesmos, o mundo, a vida, os acontecimentos da vida e as experiências pessoais". Por isso, encoraja os pais, que se preparam, neste ano, para matricular seus filhos nas escolas, a optar pela grande oportunidade que a educação religiosa católica oferece. E conclui: “Isso poderá proporcionar-lhes uma visão mais profunda e ampla do horizonte da vida; oferecer-lhes-á os fundamentos da fé e da cultura cristã, que caracterizam, profundamente, a realidade social croata: o valor e a beleza dos feriados, tradições e costumes cristãos”.

ATD

09 junho 2020, 09:43