Busca

Vatican News
O Equador é o quarto país mais atingido pela pandemia na América Latina. O Equador é o quarto país mais atingido pela pandemia na América Latina.   (ANSA)

Abertura gradual e progressiva das igrejas no Equador

Em 12 de abril, o governo equatoriano havia implementado um sistema de semáforo para medir o risco de contágio e disseminação do vírus, sendo o vermelho o mais alto e o verde o menos perigoso. Dessa maneira, também são definidas as restrições e protocolos que regem cada localidade do país até a retomada das atividades.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

O protocolo de biossegurança para a reabertura dos locais de culto apresentado pela Igreja equatoriana consiste em duas fases, que serão implementadas seguindo o esquema de abertura e autorização das diferentes autoridades locais.

De qualquer forma, em nenhuma das duas fases, que serão implementadas nos meses de maio e junho, prevê "a celebração de Missas, procissões ou qualquer ato de expressão da fé que envolva aglomerações", enquanto todas as atividades paroquiais, como catequese, cursos e reuniões da comunidade continuarão a se realizar on-line ”

O documento apresentado na terça-feira, 5 de maio, destaca que as medidas visam proteger "a saúde como um bem fundamental", que se trata de uma abertura progressiva e gradual que tem por objetivo o "reencontro espiritual" nos templos, e reitera o convite para que as Missas continuem a ser acompanhadas virtualmente.

Fase 1

 

A Fase 1 prevê que as igrejas e paróquias das províncias ou regiões que de acordo com o “semáforo Covid-19”, estarão vermelhas e amarelas no final de maio, possam abrir suas portas apenas para oração pessoal, com entrada controlada para manter a distância de um metro e meio um do outro, e por no máximo 20 minutos. Da mesma forma, o fiel poderá ter acesso ao Sacramento da Confissão no templo ou em outro local suficientemente grande.

Fase 2

 

A fase 2 será aplicada nas localidades ou regiões que, de acordo com o "semáforo Covid 19", serão classificadas com o sinal amarelo ou verde (este último previsto para junho) e consiste, como na fase 1, da oração pessoal, o Sacramento da Confissão e, além disso, receber a Comunhão sem Missa, somente para aqueles fiéis que a solicitarem, seguindo os protocolos de higiene estabelecidos pelas autoridades.

Em 12 de abril, o governo equatoriano havia implementado um sistema de semáforo para medir o risco de contágio e disseminação do vírus, sendo o vermelho o mais alto e o verde o menos perigoso. Dessa maneira, também são definidas as restrições e protocolos que regem cada localidade do país até a retomada das atividades.

No entanto, com o anúncio de que a partir da última segunda-feira, 4 de maio, poderia ser dado o passo inicial para uma fase de distanciamento e a reativação do setor produtivo, 218 municípios dos 221 anunciaram que iniciarão a 'nova normalidade' com o semáforo ainda vermelho para o risco da pandemia de Covid-19.

O Equador é o quarto país mais atingido pela pandemia na América Latina. De acordo com o último relatório das autoridades, 1.569 pessoas morreram e 31.881 contagiadas.

Entre os pacientes infectados desde o início da pandemia no país, no final de fevereiro, 3.433 se recuperaram da doença, 2.036 tiveram alta do hospital, 6.261 tiveram alta epidemiológica e 18.053 estão em condições estáveis ​​sob isolamento domiciliar. (AT)

06 maio 2020, 00:03