Busca

Vatican News
O país também está com medidas restritivas para combater o Covid-19 O país também está com medidas restritivas para combater o Covid-19  (AFP or licensors)

Índia: Igreja abre refeitórios e alojamentos para migrantes e trabalhadores informais

Mais de mil pessoas em situação de pobreza, migração ou perda de trabalho por causa do Covid-19 estão recebendo comida e alojamento em Ranchi, no estado de Jharkhand. Já de Kandhamal, um distrito no interior de Odisha, veio o exemplo dos cristãos pobres que aderiram à campanha de arrecadação de fundos para ajudar os pacientes internados. “Mesmo sendo pobres, podemos ser modelo para muitos privilegiados e capazes de contribuir”, disse o pároco local.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

Ouça a reportagem e compartilhe

A Índia também instaurou medidas restritivas no país para conter a disseminação do coronavírus, o que já têm deixado muitas pessoas em difícil situação econômica. É o caso dos migrantes internos que não conseguiram voltar ao seu país de origem e que perderam o emprego, além dos trabalhadores formais e informais de baixa renda que inclusive podem perder o lugar onde dormem.

Refeitório para centenas de pessoas em Ranchi

A Igreja tem se mobilizado para ajudá-los, como acontece em Ranchi, no estado de Jharkhand. Por solicitação do governo local, a Igreja colocou à disposição várias estruturas para oferecer acolhimento, mas também comida e outros serviços de base a essas pessoas, junto a tantas outras famílias pobres.

Na semana passada, segundo a agência de notícias Eglises d’Asie, o arcebispo da cidade, dom Feliz Toppo, inaugurou um refeitório popular que vai beneficiar mais de 600 pessoas por ao menos um mês. O local, administrado pelas Missionárias da Caridade, as irmãs de Madre Teresa de Calcutá, é aberto também às 200 famílias de um bairro onde vivem ex-doentes de lepra.

O bispo auxiliar, dom Theodore Mascarenhas, explica que as religiosas se encarregaram do refeitório, enquanto que as autoridades aceitaram fornecer arroz e legumes com o suporte da arquidiocese. A Igreja ainda colocou à disposição dos migrantes 14 escolas católicas e a arquidiocese local deve abrir um outro refeitório que vai servir 500 pessoas, graças às doações de organizações humanitárias católicas.

O exemplo dos cristãos pobres

Já em Kandhamal, um distrito no interior do estado de Odisha e alvo das piores revoltas anticristãs na história do país em 2008, os fiéis pobres tornaram-se modelos para os mais ricos. Eles decidiram dar a sua contribuição para a campanha de arrecadação de fundos do primeiro-ministro para combater o Covid-19.

A paróquia de Raikia, junto a outras instituições cristãs, conseguiu arrecadar quase 30 mil rupias (quase 400 dólares) para ajudar os mais necessitados durante a emergência sanitária e econômica. O pároco local, Pe. Pradosh Chandra Nayak, disse que “mesmo uma pequena quantia poderia fazer a diferença”, isto é, pessoas que contribuíram inclusive com apenas 10 rupias.

Isso porque, como explicou o sacerdote, “não é fácil para os nossos fiéis contribuir ao fundo do primeiro-ministro, visto que aqui o povo é composto por grande parte de agricultores e marginalizados que estão combatendo a pobreza”. Mas o pároco acrescentou que a ideia veio em mente porque, “mesmo se somos pobres, também podemos nos tornar modelos para muitos que são privilegiados e capazes de contribuir para ajudar os irmãos neste período difícil”.

Graças à contribuição dos fiéis, a paróquia conseguiu distribuir pacotes com litros de leite, biscoitos, remédios e máscaras de proteção aos pacientes internados num hospital público, além de máscaras e luvas aos profissionais de saúde. Também foram distribuídos biscoitos aos órfãos da Casa de Santa Catarina de Raikia.

14 abril 2020, 15:43