Busca

Vatican News

Dom Martin: mesmo na sociedade comercializada, Natal é a festa da fé

“Deus nos diz quem é no modo como é Jesus”, é o Deus que se faz “criança indefesa”. A linguagem de Deus é a linguagem da simplicidade do coração. Não é uma língua que se pode aprender dos livros”. “Deus se revela a nós na simplicidade e na impotência do menino Jesus", afirma o arcebispo de Dublin, na Irlanda, Dom Diarmuid Martin

Cidade do Vaticano

“O Natal é o momento em que emerge a nossa fé, mesmo se nos distanciamos da prática regular. No Natal a fé da nossa infância se renova e evoca algo que permanece sempre sepultado no profundo do nosso coração... Sim, em nossa sociedade, não importa quanto comercializada, o Natal toca algo de mais profundo dentro de nós. Por qual motivo? O que torna o Natal especial? O Natal é especial porque diz respeito a Deus. O menino que nasce é Nosso Senhor e Salvador.”

Ouça e compartilhe!

O significado mais profundo do Natal

A homilia do arcebispo de Dublin, na Irlanda, dom Diarmuid Martin, na Missa da Noite de Natal celebrada na co-catedral da capital do país do oeste da Europa, foi norteada pelo significado mais profundo do Natal.

Já na manhã da quarta-feira (25/12), na mesma co-catedral, o arcebispo celebrou a Missa do Dia de Natal às 11h locais, da qual participou também o presidente da República da Irlanda, Michael D. Higgins.

Cristãos devem voltar a falar de Deus

“Num mundo e numa cultura em que Deus é demasiadamente colocado à margem da nossa vida e da nossa sociedade”, frisou, os cristãos devem voltar a falar de Deus. O arcebispo perguntou:

“Como podemos falar de Deus num mundo que tão habitualmente o rejeita ou não sabe a quem dirigir-se para encontrá-Lo? Para falar eficazmente de Deus devemos aprender a falar sobre Ele na língua de Deus mesmo”, observou dom Martin.

Deus se faz criança indefesa

 

E a língua de Deus a encontramos na mensagem de Natal. “Deus nos diz quem é no modo como é Jesus”, é o Deus que se faz “criança indefesa”. A linguagem de Deus é a linguagem da simplicidade do coração. Não é uma língua que se pode aprender dos livros”.

“Deus se revela a nós na simplicidade e na impotência do menino Jesus. Para entender o Natal devemos aprender a língua de Deus. Para ser verdadeiros cristãos devemos ser suas testemunhas no modo em que vivemos e na sociedade que criamos”, concluiu o arcebispo irlandês.

26 dezembro 2019, 14:31