Cerca

Vatican News
Procissão com tochas ao redor da Edícula, na Basílica do Santo Sepulcro Procissão com tochas ao redor da Edícula, na Basílica do Santo Sepulcro  (AFP or licensors)

Palavra de Deus, origem da missão, diz Dom Pizzaballa

O administrador apostólico celebrou na segunda-feira, 7, a Missa de abertura do ano acadêmico no Studium Biblicum Franciscanum. Um instituto que "fez história", sendo reconhecido "por suas descobertas". No "debruçar-se sobre os livros", observa, encontramos "a primeira resposta ao grito do mundo".

O Papa Francisco "instituiu um domingo dedicado à Palavra de Deus", um modo para "nos recordar que  a vida da Igreja, o serviço ao mundo [...] deve brotar dali, da Eucaristia e da contemplação da Palavra de Deus".

Foi o que afirmado na segunda-feira Dom Pierbattista Pizzaballa, administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, na homilia da Missa de abertura do ano acadêmico no Studium Biblicum Franciscanum (Sbf).

Enfatizando o valor do estudo, o bispo – informa a Agência Fides – recordou os trabalhos da École Biblique, do Pontifical Bible Institute e do Studium Biblicum Franciscanum; a esses três grandes institutos maiores somam-se "centros de estudos menores", mas "não menos importantes, que se dedicam à atualização teológica e bíblica de sacerdotes e leigos que aqui transcorrem períodos sabáticos".

Um instituto que fez história por suas descobertas

 

O Studium Biblicum Franciscanum é uma instituição científica de pesquisa e ensino acadêmico das Sagradas Escrituras e de arqueologia dos Países bíblicos criado pela Custódia da Terra Santa em 1901, e em atividade desde 1924.

Ao saudar o reitor Irmão Rosario Pierri, os professores e funcionário , estudantes e amigos, o arcebispo Pizzaballa recorda que o Sbf "literalmente fez história" impondo-se "por suas descobertas e estudos arqueológicos" e lançando "nova luz" sobre a história cristã da Terra Santa.

As numerosas instituições religiosas, acrescentou, "mais numerosas" do que o "número real de cristãos" são "um claro sinal de vitalidade". "Em nossa pequena comunidade eclesial - continua - temos uma presença religiosa que é uma expressão da pluralidade de línguas e carismas [...] da Igreja universal".

O estudo da Teologia e da Exegese para ouvir o clamor do mundo

 

"São tantas - afirma o administrador apostólico - as necessidades e atividades para as quais somos chamados, o grito daqueles que aguardam nossa atenção, mas tudo deve ser reconduzido a partir de um centro".

"Não é fácil e nem mesmo possível", adverte, entender uma realidade da vida e do mundo "complexa" sem "um espaço dentro de nós; um espaço que é presença". "Se essa presença está ausente, falta o núcleo capaz de acolher, examinar, discernir, ouvir a realidade", ou seja, "o critério de leitura do que acontece ao nosso redor".

Por esse motivo, o estudo da Teologia e da Exegese ou gramática acadiana, do grego ou do siríaco, de Platão ou Duns Scoto, "não é um tempo roubado à escuta do clamor do mundo" mas, pelo contrário, "a primeira resposta necessária, indispensável "para dar ao mundo a "resposta necessária".

"O estudo serve - observa o prelado - para dar forma e consistência ao centro unificador que em nosso coração deve ser formado em torno à Palavra de Deus e ao conhecimento teológico de Cristo".

Para aqueles que desejam acelerar a conclusão do percurso de estudo, conclui Dom Pizzaballa, "que  sentem distante de sua sensibilidade e inútil", ele pede que "se debrucem sobre os livros", onde se encontra a primeira resposta, séria, sólida e radical ao grito do mundo. Significa levar a Deus aquele grito, mas também ouvi-lo e responder de acordo com o plano de Deus e não o nosso". (Asia News)

08 outubro 2019, 19:10