Busca

Vatican News
"Escolhemos líderes que não ajudaram a África a crescer após a independência", constata Dom Gilbert Anokye  (Foto: Francesco Alesi, para Save the Children) "Escolhemos líderes que não ajudaram a África a crescer após a independência", constata Dom Gilbert Anokye (Foto: Francesco Alesi, para Save the Children) 

Males da África, fruto de escolhas equivocadas, diz presidente da Caritas África

"Dormimos por muito tempo. Deveríamos nos levantar imediatamente. Isso só acontecerá se escolhermos bons líderes que tragam uma verdadeira democracia, líderes que executem boas políticas não para seus bolsos ou para suas famílias ou para o grupo étnico ao qual pertencem. Essa era já passou e não deve mais ser permitida na África”, disse Dom Gilbert Justice Yaw Anokye.

Cidade do Vaticano

"A pobreza na África é uma escolha. Os problemas da África são resultado de escolhas equivocadas. Isso acontece quando são escolhidos líderes que não são legítimos". Esta é a avaliação de Dom Gilbert Justice Yaw Anokye, arcebispo de Kumasi (Gana) e Presidente da Caritas África, em um colóquio realizado à margem da 18ª Assembleia Plenária do SECAM (Simpósio do Conferências Episcopais da África e Madagascar), realizada em Kampala nos dias passados.

Ouça e compartilhe!

Escolha de líderes que não ajudam a África a crescer

 

"Votamos em líderes corruptos de acordo com critérios tribais ou por medo ou para obter favores. Escolhemos líderes que não ajudaram a África a crescer após a independência. Tivemos bons líderes que foram excluídos do poder por golpes de Estado, instigados por pessoas ou países que têm seus próprios interesses", recordou Dom Anokye.

Fazendo um paralelo com a Ásia, o prelado salientou que "países como a Malásia e Cingapura, saíram da pobreza porque escolheram bons líderes".

"Também a África pode crescer. Dormimos por muito tempo. Deveríamos nos levantar imediatamente. Isso só acontecerá se escolhermos bons líderes que tragam uma verdadeira democracia, líderes que executem boas políticas não para seus bolsos ou para suas famílias ou para o grupo étnico ao qual pertencem. Essa era já passou e não deve mais ser permitida na África”.

Instabilidade política e ambiental

 

O arcebispo de Kumasi indicou na instabilidade política e ambiental algumas das causas que provocam o deslocamento de milhões de africanos de uma área para outra no continente. "Temos guerras civis em países como o Sudão do Sul e a Eritreia. Temos extremismo religioso na Somália; Boko Haram na Nigéria; Al Qaeda na Mauritânia; instabilidade em Burkina Faso e na Costa do Marfim; todos fatores que provocam a migração das pessoas", disse ele. Somam-se a isso os desastres naturais, como os ciclones que atingiram Moçambique, Zimbábue e Malauí, e outros atribuíveis ao homem, como a exploração selvagem do solo e do subsolo. "Todos estes são danos causados pelo homem e devem ser evitados", sublinha Dom Anokye.

 

O trabalho da Caritas

 

"Nós, como Caritas, intervimos quando surge uma emergência. No entanto, se conseguirmos impedir que isso aconteça, seria melhor. Digamos que a assistência sanitária tem uma dimensão tripla: preventiva, curativa e de reabilitação. O mesmo vale para a Caritas", afirma o bispo Anokye, que dá o exemplo da Caritas Uganda, que trabalha para reintegrar os refugiados do Sudão.

"Em muitos países - observou - a Caritas está ajudando os refugiados a recomeçar a vida. Continuamos a dar-lhes comida, medicamentos e cobertores, mas também trabalhamos pela sua reabilitação e inclusão na sociedade. Isso faz parte da nossa missão”.

(Agência Fides)

12 agosto 2019, 08:37