Cerca

Vatican News
Bispos da Colômbia em sua última assembleia, de 1º a 6 de julho. Ao centro, o presidente da nação, Iván Duque Bispos da Colômbia em sua última assembleia, de 1º a 6 de julho. Ao centro, o presidente da nação, Iván Duque 

Eleições na Colômbia: apelo dos bispos ao diálogo e à reconciliação

“Governar é sinônimo de dialogar, ouvir, construir pontes e reconciliar”, reiteram os bispos colombianos, que em seguida ressaltam a importância de “colocar a pessoa humana, sua altíssima dignidade e o respeito pelo bem comum, no centro de toda ação política, social e econômica”

Cidade do Vaticano

As eleições “representam a oportunidade de pensar e projetar o país que queremos, de comprometer os cidadãos num projeto comum de país, e de traçar percursos que permitam progredir nos ideais de justiça, verdade, liberdade e solidariedade”: esse é o primeiro ponto da nota difundida pelos bispos da Colômbia, no momento em que a nação se preparara para viver uma fase de campanha eleitoral.

Ouça e compartilhe!

Os cidadãos devem conhecer os programas dos candidatos

Efetivamente, em 27 de julho próximo passado encerrou-se o prazo de registro dos candidatos para as eleições de prefeitos, vereadores e membros dos conselhos de administração locais, governadores e deputados, para o período 2020-2023.

Os bispos da colômbia, saudando os que se preparam para iniciar as campanhas eleitorais a fim de apresentar seus programas de governo, os convidam a ter em conta algumas considerações.

Cultivar e defender a unidade, não às polarizações

A mensagem dos prelados, assinada pelo presidente, vice-presidente e pelo secretário geral da Conferência Episcopal Colombiana (CEC), respectivamente, Dom Oscar Urbina Ortega, Dom Ricardo Tobón Restrepo, e Dom Elkin Fernando Álvares Botero, se articula em sete pontos.

“Além do primeiro concernente, precisamente, à importância do voto, a segunda prioridade indicada pelos prelados é o esforço comum a fim de cultivar e defender a unidade, colocando um freio à polarização que está dividindo o país.”

“Governar é sinônimo de dialogar, ouvir, construir pontes e reconciliar”, reiteram os bispos, que em seguida ressaltam a importância de “colocar a pessoa humana, sua altíssima dignidade e o respeito pelo bem comum, no centro de toda ação política, social e econômica”.

Para superar a desigualdade, a injustiça e a falta de oportunidade para os menos favorecidos, é preciso evitar os privilégios dos quais poucos se beneficiam, observam os bispos colombianos.

Migrações e narcotráfico, prioridade a ser enfrentada

“Para apresentar programas realistas e claros, que respondam às necessidades dos eleitores, é preciso aproximar-se e conhecer bem as comunidades”, exortam ainda os prelados, recordando que há situações, neste momento da história, que exigem uma atenção prioritária, entre as quais “a migração, o narcotráfico e o microtráfico, a toxicomania, a violência e a insegurança, o desemprego, a crise do sistema de saúde, a pobreza, a destruição do ambiente, os conflitos pela terra”.

Acabar com a corrupção

Em seguida, a mensagem da Conferência episcopal convida a “aumentar os esforços para acabar com os vícios da política e especialmente a corrupção”, evidenciando que os candidatos a um serviço público devem ser “absolutamente transparentes” em relação à compra de votos, manipulações e pressões sobre os eleitores, financiamentos ilícitos, vez que “vencer as eleições com práticas corruptas não compensa”.

Respeito pela vida e pela família

Os bispos reiteram ainda que “o respeito pela vida e sua defesa, a defesa da família, da educação e da justiça são valores fundamentais para consolidar a sociedade”.

Por fim, recordam que “os colombianos esperam campanhas propositivas, à altura dos ideais que caracterizam o exercício reto da política”, sem cair em insultos, mentiras ou difamações dos adversários, e fazem votos de que “este tempo que antecede as eleições transcorra em harmonia e serenidade, rico de propostas em prol do bem comum”.

(Fides)

05 agosto 2019, 16:06