Cerca

Vatican News

Soberania brasileira sobre a Amazônia é inquestionável, dizem bispos

"A soberania brasileira sobre essa parte da Amazônia é para nós inquestionável. Entendemos, no entanto, e apoiamos a preocupação do mundo inteiro a respeito deste macro-bioma que desempenha uma importantíssima função reguladora do clima planetário", defendem os bispos da Amazônia

Icoaraci, Belém do Pará

No mesmo lugar onde, em 2016, o episcopado da Amazônia brasileira escreveu uma carta ao Papa Francisco pedindo a convocação do Sínodo Amazônico, menos de 40 dias antes do início do evento no Vaticano (6-27 de outubro), os bispos da região se reuniram com sacerdotes, religiosos, religiosas, leigos e leigas, num total de cerca de 120 pessoas.

No Centro de Espiritualidade Monte Tabor da Arquidiocese de Belém, a proposta para este encontro (28-30 de agosto) foi o estudo do Instrumento de Trabalho (Instrumentum Laboris) e a partilha de experiências de escuta e da caminhada do processo sinodal nas dioceses e prelazias da Amazônia.

 

Desde 1952, os bispos da Amazônia se reúnem periodicamente e discutem a missão da Igreja na realidade particular da Amazônia. A expressão profética do Papa Paulo VI "Cristo aponta para a Amazônia" marca o compromisso desta Igreja de "encarnar na simplicidade" e procurar tornar sempre mais claro o rosto de uma Igreja amazônica, que entra na realidade dos povos e da terra através de sua ação evangelizadora. É o que diz a "Carta Final" distribuída pelos participantes.

“Defendemos vigorosamente a Amazônia, que abrange quase 60% do nosso Brasil. A soberania brasileira sobre essa parte da Amazônia é para nós inquestionável. Entendemos, no entanto, e apoiamos a preocupação do mundo inteiro a respeito deste macro-bioma que desempenha uma importantíssima função reguladora do clima planetário. Todas as nações são chamadas a colaborar com os países amazônicos e com as organizações locais que se empenham na preservação da Amazônia, porque desta macrorregião depende a sobrevivência dos povos e do ecossistema em outras partes do Brasil e do continente”.

“A Igreja Católica desde o século XVII está presente na Amazônia preocupando-se com a evangelização e a promoção humana ao mesmo tempo. Quantas escolas, hospitais, oficinas, obras sociais se construíram e foram mantidas durante séculos em todos os rincões da Amazônia. Vilas e cidades se edificaram a partir das “missões” da nossa Igreja. Quanto sangue, suor e lágrimas foram derramados na defesa dos direitos humanos e da dignidade, especialmente dos mais pobres e excluídos da sociedade, dos povos originários e do meio ambiente tão ameaçado”.

31 agosto 2019, 07:12