Busca

Vatican News
Papa Francisco no Santuário Santa Maria das Graças, em San Giovanni Rotondo, em 17 de março de 2018 Papa Francisco no Santuário Santa Maria das Graças, em San Giovanni Rotondo, em 17 de março de 2018  (Vatican Media)

Procissão luminosa recorda chegada do Padre Pio em San Giovanni Rotondo

A procissão luminosa é realizada anualmente em 28 de julho, para recordar a chegada do Padre Pio na cidadezinha italiana em 1916.

Cidade do Vaticano

Renova-se também neste ano a tradicional procissão luminosa para recordar a chegada do Padre Pio a San Giovanni Rotondo.

Por iniciativa da administração municipal da cidadezinha, dos Frades Menores Capuchinhos do Convento local, da Casa Alívio do Sofrimento e da Associação "Deo gratias", a população é convidada a se encontrar novamente no “Largo 28 de julho de 1916”, onde se pronunciará o arcebispo emérito de Lecce, Dom Domenico Umberto D'Ambrosio, que já esteve à frente da Arquidiocese de Manfredonia - Vieste San Giovanni Rotondo,dando assim início a uma caminhada de meditação e de oração que, com as velas acesas, percorrerá o mesmo percurso feito por Padre Pio fez há 103 anos (atualmente Praça Europa e viale Cappuccini). Antes de chegar ao antigo Convento, a procissão fará uma parada na entrada da Casa Alívio do Sofrimento.

A procissão luminosa se concluirá no Santuário de Santa Maria das Graças,  onde haverá discursos,  seguidos por um momento de oração na igreja inferior dedicada ao Santo, diante da relíquia de seu corpo.

A árvore e sua simbologia

 

Em 28 de julho de 2017, na conclusão do Ano Jubilar, convocado para celebrar o primeiro centenário da chegada do Padre Pio em San Giovanni Rotondo, uma árvore foi plantada e abençoada no centro do Largo localizado entre Corso Umberto I e Piazza Europa, que no mesmo dia foi nomeado "Largo 28 de julho de 1916".

Sob a árvore, foram instalados bancos de pedra para permitir o estacionamento e para favorecer a memória do evento que mudou o curso da história da comunidade local.

Esta iniciativa quer manter viva a memória da experiência espiritual vivida pela Sangiovanesa Lucia Fiorentino, que em uma "visão imaginária", relatadas em notas autobiográficas de 1929, escreve: «Eu vi na visão uma árvore de tamanho imenso no pátio do nosso convento Capuchinhos e eu ouvi uma voz que me dizia: "Este é o símbolo de uma alma que agora está distante e virá aqui; fará muito bem a este lugar ... Será forte e bem enraizada como esta árvore e todas as almas que virão - tanto daqui como de longe – buscar abrigo na sombra desta árvore, serão libertadas do mal (ou seja, quem for a este digno sacerdote para ter luz e os encontrar perdão e remédio para as próprias culpas). Se eles se humilharem, receberão deste digno sacerdote conselhos e frutos da vida eterna. E ai daqueles que desprezarem seus conselhos, seu modo de agir, o Senhor os punirá severamente nesta e na outra vida. Sua missão se estenderá por todo o mundo e muitos virão se refugiar na sombra desta árvore mística para ter frutos de graça e perdão "(Epistolário III, p. 470).

No momento da "visão" Lucia Fiorentino, não Conhecendo o Padre Pio, associou a imagem da árvore a um bom padre de San Giovanni Rotondo, que estava longe de casa (ibid., P. 471). Mais tarde, em 1923, com uma "locução" interior, foi revelado a ela que a árvore plantada no convento simbolizava o Padre Pio: «Jesus me dizia: "Lembra-te de quando me manifestei a ti em 1906, enquanto estavas doente?": "Sim, eu me lembro".

Jesus havia me dito, sempre em locução: "um padre virá de longe, simbolizado em um grande árvore que deveria ser plantada no convento”. Árvore tão grande e bem enraizada que tinha que cobrir com a sua sombra o mundo inteiro. Quem, tendo fé, se refugiasse debaixo desta árvore, tão linda e rica de folhas, teria a verdadeira salvação; pelo contrário, aqueles que a desprezaram e zombaram desta árvore, Jesus ameaçava com castigos. E então me explica que a árvore é o Padre Pio, que veio de longe e está enraizado no convento pela vontade de Deus, e a se refugiar embaixo de sua sombra, estão aquelas almas, por ele guiadas que obedecem com fé e seguem em frente; enquanto aqueles que o desprezam, zombam dele e o caluniam,  serão castigados por Deus "(ibidem). Entre outras coisas, Lucia Fiorentino conheceu Padre Pio no final de julho de 1916, tornando-se uma de suas primeiras filhas espirituais (ver ivi, pp. 471, 472).

Viagem a San Giovanni Rotondo

 

No verão de 1916, Padre Pio estava no Convento de Santa Ana, em Foggia, onde sofria muito com o calor abafado. A perceber isto foi Padre Paolino da Casacalenda, guardião em San Giovanni Rotondo, que estava no local para pregar a novena em honra de Santa Ana.

Vendo-o isso naquelas condições, convidou-o para passar alguns dias em seu convento, oferecendo-se para acompanhá-lo pessoalmente "quer na ida como no retorno". Obtida a bênção de seu guardião, padre Nazzareno d'Arpaise, que se comprometeu em informar o provincial (padre Bento, em Lamis), o capuchinho sofredor partiu com o padre Paolino. Os dois chegaram em San Giovanni Rotondo na noite de 28 de julho de 1916.

Aqueles poucos dias à pé de Gargano, trouxeram um "grande alívio" para Padre Pio. No entanto, depois de uma semana, os religiosos de Pietrelcina retornaram a Foggia. Ele não sentiu que devia ficar mais tempo, porque "o passeio" até o convento nas proximidades tinha sido feito sem a bênção do Provincial.

Em Foggia, no entanto, sofria novamente com o calor, e em 13 de agosto, escreveu a padre Bento pedindo para "passar algum tempo" em San Giovanni Rotondo, dizendo que Jesus "havia lhe assegurado" que lá ele estaria melhor.

A resposta afirmativa chegou em 17 de agosto. Assim Padre Pio retornou "provisoriamente" a San Giovanni Rotondo em 4 de setembro, aguardando uma visita do ministro provincial, anunciada para o final do mês, durante o qual seria definido seu destino final.

Padre Bento, que chegou em meados de outubro, declarou-se disponível em deixá-lo naquele lugar salutar. Ele estava preocupado apenas com os seminaristas. Temia que poderiam ser infectados por uma doença pulmonar inexplicável que atormentou por anos os jovens frades provenientes de Pietrelcina. O próprio confrade doente o tranquilizou,  assegurando que os próprios distúrbios eram "somente para si e não para os outros."

Padre Bento ficou convencido e deixou-o em San Giovanni Rotondo,  confiando-lhe imediatamente a direção espiritual dos seminaristas e mais tarde a direção completa do seminário seráfico.

(Com Frades Menores Capuchinhos da Província “Sant’Angelo e Padre Pio”)

27 julho 2019, 11:25