Busca

Vatican News
Uma religiosa disse estar com o coração partido: "Essa ação prejudica mais as pessoas comuns do que as organizações religiosas". Uma religiosa disse estar com o coração partido: "Essa ação prejudica mais as pessoas comuns do que as organizações religiosas".  

Fechado último hospital católico na Eritreia

A Igreja administrava cerca de 40 estruturas de saúde na Eritreia, que incluíam hospitais, centros de saúde e ambulatórios, servindo a toda a população, independentemente de etnia ou religião, fornecendo atendimentos quase sempre gratuitos.

Cidade do Vaticano

Fechado o último hospital católico na Eritreia. Na última sexta-feira, 5, as religiosas que administravam a instalação de Zager foram obrigadas pela polícia a abandonar o local, que teve suas portas lacradas.

Ouça e compartilhe!

As irmãs foram “instruídas” a deixar o hospital imediatamente, sendo impedidas de retirar qualquer equipamento hospitalar. O hospital prestava serviços de maternidade e assistência médica geral para o povoado de Zager, a cerca de trinta quilômetros da capital, Asmara.

O apelo dos bispos

 

Nas últimas semanas, 22 hospitais e clínicas católicas foram fechados. Alguns observadores leem nesta onda de apropriações uma resposta do regime de Isayas Afeworki às críticas da Igreja a seu governo.

 

Em suas cartas pastorais,  de fato, os bispos católicos pediram profundas reformas políticas no país que, atualmente, não tem Constituição e nunca organizou eleições presidenciais e legislativas.

O governo rebateu, afirmando que os fechamentos estão de acordo com as regras introduzidas em 1995, que limitam as atividades das instituições religiosas, das escolas aos projetos agrícolas, dos hospitais à assistência aos idosos.

As consequências sobre a população

 

Na quinta-feira, 4 de julho, outro grupo de freiras que administrava uma unidade de saúde no sul do país foi intimado a deixar sua residência. Uma religiosa disse estar com o coração partido: "Essa ação prejudica mais as pessoas comuns do que as organizações religiosas".

(Agência Fides)

08 julho 2019, 08:23