Busca

Vatican News
Celebração da Paixão do Senhor na Igreja St Andrew, em Karachi Celebração da Paixão do Senhor na Igreja St Andrew, em Karachi  (AFP or licensors)

Diálogo entre religiões é 'fundamental' para a paz no Paquistão

O arcebispo de Lahore abriu os trabalhos do seminário "Harmonia inter-religiosa, necessidade social". O diálogo "ajuda a eliminar a violência, a Igreja aprecia a beleza da diversidade e não busca a conversão de ninguém".

A espiritualidade do diálogo “ajuda a evitar confrontos violentos. A nossa, é uma sociedade dividida entre religiões e seitas desde os anos 80, mas nós não queremos converter ninguém. A Igreja aprecia a beleza da diversidade, a aceitação e a construção de novos relacionamentos com nossos irmãos ”.

Foi o que afirmou o arcebispo de Lahore, Dom Sebastian Shaw, ao abrir os trabalhos do seminário "Harmonia inter-religiosa, necessidade social". O evento contou com a presença de mais de 300 sacerdotes, pastores protestantes e religiosos islâmicos, informou a agência Asianews.

A Igreja no Paquistão a serviço da sociedade

 

Os católicos - sublinhou o prelado - "criaram as primeiras Comissões inter-religiosas em 2003. Nossas escolas tornaram-se instituições sociais, mais de 90% de nossos estudantes são muçulmanos. Estamos a serviço da sociedade".

Segundo Asim Makhdoom, presidente da Kul Masalak Ulema, os maiores desafios para um verdadeiro diálogo inter-religioso "vêm de indivíduos que fazem parte de grupos. A maior parte dessas pessoas está interessada somente em arrecadar fundos, em viagens ao exterior e em benefícios pessoais".

Esforços da Igreja para o diálogo são muitas vezes ignorados, se não impedidos

 

O secretário executivo da Comissão Nacional para o Diálogo Inter-religioso e Ecumenismo, padre Francis Nadeem, aponta o dedo também contra a indiferença geral que envolve o tema: “É triste dizer, mas esta operação limita-se a indivíduos. O governo, assim como a mídia, ignoram nossos esforços. Na verdade, eu diria que o próprio governo é o maior obstáculo".

Número de cristãos no Paquistão em declínio

 

De acordo com dados do censo de 2017, as minorias no Paquistão representam 3,53% de toda a população. Em 1998, o percentual era de 3,7%. O número de cristãos diminuiu - de 1,59% para 1,27% - como quase todas as outras minorias.

Pesa, enfatiza Saeeda Deep, do Centro para a Paz e Estudos Seculares, a perseguição e a legislação discriminatória em relação aos não-muçulmanos. (Asi

29 julho 2019, 14:03