Cerca

Vatican News
Bispos cubanos salientam que o indulto constitui constitui "a ocasião para sensibilizar as comunidades por uma maior atenção e apoio a este esforço específico da Pastoral Carcerária, que é baseado no ensinamento de Jesus: era um prisioneiro e me visitastes.” Bispos cubanos salientam que o indulto constitui constitui "a ocasião para sensibilizar as comunidades por uma maior atenção e apoio a este esforço específico da Pastoral Carcerária, que é baseado no ensinamento de Jesus: era um prisioneiro e me visitastes.”  

Igreja em Cuba aplaude indulto a mais de 2.600 detentos

Para a Comissão Nacional da Pastoral Carcerária da Conferência Episcopal Cubana, o indulto é um gesto de misericórdia para a reintegração das pessoas à sociedade.

Cidade do Vaticano

A Pastoral Carcerária cubana,  juntamente com bispos, sacerdotes, diáconos, religiosos e leigos, "une-se às famílias que, com alegria e afeto, acolhem seus entes queridos privados de liberdade, que foram beneficiados pelo indulto concedido pelo Conselho de Estado da República de Cuba" a 2.604 pessoas", lê-se na nota assinada pelo presidente da Comissão e bispo emérito de Pinar del Río, Dom Jorge Enrique Serpa Pérez, e divulgada pela Agência Fides.

Ouça e compartilhe!

Os termos do indulto

 

Seguindo as diretrizes da nova Constituição da República, que favorece a reinserção social dos detentos, o Conselho de Estado concedeu o indulto a 2.604 condenados a penas efetivas de privação de liberdade.

Foram beneficiados com o indulto, os condenados por crimes leves e que tiveram bom comportamento durante o período em que estiveram presos.

Além disso, também foi avaliado o tempo decorrido desde as sanções, os fatos pelos quais foram condenados, a idade e as doenças que porventura alguns poderia sofrer. Especialmente mulheres, jovens e idosos foram beneficiados por estes critérios.

Em todos os casos, trata-se de pessoas que já cumpriram pelo menos um terço da pena imposta pelos tribunais.

O indulto favorece reinserção do detento na sociedade

 

"O indulto, que em si mesmo é um gesto humanitário de misericórdia - prossegue o comunicado da Comissão - mostra como este, sendo superior à animosidade, favorece a reinserção na sociedade das pessoas que dele se beneficiam e uma melhor convivência social, segundo o que o Papa Francisco nos ensinou no Ano da Misericórdia e em sua inesquecível visita ao nosso país, em setembro de 2015, como peregrino da misericórdia”.

Por fim, a nota sublinha que este indulto constitui "a ocasião para sensibilizar as comunidades por uma maior atenção e apoio a este esforço específico da Pastoral Carcerária, que é baseado no ensinamento de Jesus: era prisioneiro e me visitastes.”

( Agência Fides)

 

 

23 julho 2019, 14:33