Busca

Vatican News
Dom Héctor Fabio Henao Gavíria Dom Héctor Fabio Henao Gavíria 

Apelo de Igrejas e organizações da sociedade: juntos pela paz na Colômbia

No apelo da sociedade civil e das Igrejas é também ressaltada a importância de “encorajar a comunidade internacional a continuar apoiando a Colômbia na busca da paz”, e por isso pedem “aos cidadãos da Europa, EUA e América Latina solidariedade com a Colômbia e com as pessoas e as organizações que trabalham pela paz e os direitos humanos no país sul-americano”

Cidade do Vaticano

Vinte e nove organizações internacionais da sociedade civil, entre as quais a Igreja na Suécia e a Federação Luterana Mundial – que criaram um “Espaço de cooperação para a paz” –, promovem a campanha de sensibilização “Comunidade internacional em alerta por uma Colômbia em paz”. Trata-se de um novo apelo para chamar a atenção da comunidade internacional.

Ouça e compartilhe!

Essas organizações, que já de há muito buscam uma solução negociada do conflito armado e a construção da paz no país sul-americano, pedem aos governos dos EUA, da América Latina e da Europa, bem como à União Europeia, à Organização dos Estados Americanos (OEA) e à Organização das Nações Unidas, que continuem trabalhando pela paz na Colômbia, pelo respeito ao direito internacional humanitário, pelo trabalho e pela vida dos indivíduos e das organizações que atuam em prol da paz e dos direitos humanos.

Aplicação do acordo e retomada do diálogo

Entre os objetivos encontram-se a implementação do acordo de paz assinado com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e a retomada do diálogo com o Exército de Libertação Nacional (Eln).

A partir de 6 de junho até o final de novembro, nas redes sociais, na mídia e pelas ruas de muitos países europeus, da América Latina e dos EUA serão enviadas mensagens de paz, se realizarão ações de solidariedade, mobilizações e apelos à Onu, à OEA e ao Parlamento da União Europeia.

Sete objetivos a serem alcançados

Os promotores da campanha de sensibilização se propõem a alcançar uma série de sete objetivos: em particular, querem que o povo se una e diga “sim” à paz na Colômbia, “não” aos homicídios daqueles que trabalham em favor da paz e pelos direitos humanos e que decidiram substituir suas armas com as palavras.

Os votos são de que “o povo na Europa, América Latina e nos EUA, seus governos e as instituições, como as Nações Unidas e a OEA, assegurem a paz na Colômbia e monitorem a aplicação do acordo de paz assinado em 2016”.

Ademais, propõem-se a “informar sobre o papel fundamental desempenhado pelas pessoas que defendem os direitos humanos na construção da paz na Colômbia e na aplicação dos acordos de paz”, bem como a “mostrar o impacto social e político de assassinatos, ameaças, ações penais e perseguições contra as pessoas que trabalham pela paz e pelos direitos humanos, e ainda a ameaça representada por ataques contra ex-combatentes para a estabilidade do processo de paz”.

Solidariedade a quem trabalha pela paz e direitos humanos

No apelo da sociedade civil e das Igrejas é também ressaltada a importância de “encorajar a comunidade internacional a continuar apoiando a Colômbia na busca da paz”, e por isso pedem “aos cidadãos da Europa, EUA e América Latina solidariedade com a Colômbia e com as pessoas e as organizações que trabalham pela paz e os direitos humanos no país sul-americano”.

Por fim, exortam os cidadãos europeus, estadunidenses e latino-americanos a pedir a seus governos e às organizações internacionais a instar o governo colombiano a respeitar o acordo final assinado com as Farc-Ep e a retomar as negociações com o Eln.

É preciso diálogo e confiança recíproca para paz duradoura

O diretor do secretariado de pastoral social Caritas da Conferência Episcopal Colombiana, Dom Héctor Fabio Henao Gavíria, é firmemente convicto da necessidade de diálogo e de confiança recíproca para se alcançar uma paz duradoura.

O prelado indicou algumas ações concretas para prosseguir no difícil caminho da paz. Entre essas, a importância da participação de todos em nível da sociedade civil para construir uma autêntica democracia e uma maior presença do Estado nas regiões onde a atividade de grupos armados e à margem da lei é mais intensa.

Ouvir indígenas, afro-colombianos, mulheres e líderes sociais

Além disso, se disse convicto da importância de dar  respostas às exigências de justiça manifestadas pelas vítimas, sem distinções, bem como, de manter “a verdade como elemento-chave do processo de paz e de dar espaço nos territórios às vozes das comunidades indígenas e afro-colombianas, às mulheres e aos líderes sociais.

Também o Conselho Mundial de Igrejas, a Igreja evangélica espanhola, a Igreja presbiteriana colombiana, a Aliança das Igrejas presbiterianas e reformadas da América Latina e do Caribe e a Igreja presbiteriana dos EUA expressaram dias atrás sua preocupação com a situação colombiana.

“Espaço de cooperação para a paz”

A campanha “Comunidade internacional em alerta por uma Colômbia em paz” está presente nas redes sociais como Tuíte, Instagram e Face-book. “Espaço de cooperação para a paz” é um coletivo de vinte e nove organizações da sociedade civil internacional que trabalham na Colômbia.

Entre essas encontram-se Caritas Suíça, Christian Aid, Comitê norueguês de solidariedade com a América Latina e o Fórum para as mulheres e o desenvolvimento-Fokus.

(L’Osservatore Romano)

27 junho 2019, 18:41