Cerca

Vatican News
A catequese busca favorecer o encontro entre Jesus e o catequisando, onde quer que esteja A catequese busca favorecer o encontro entre Jesus e o catequisando, onde quer que esteja 

Igreja no Chile: uma 'Igreja em saída' requer 'Catequistas em saída'

Para se ter uma “Catequese em saída” é preciso, em primeiro lugar, “reconhecer em quais lugares a catequese ainda não oferece respostas adequadas às necessidades da comunidade. Não se trata de pensar somente ou principalmente na catequese sacramental, mas, particularmente em situações de vida em que hoje não oferecemos um itinerário catequético adequado”, diz o diretor da Comissão Nacional da Catequese do Chile, Valenzuela Magaña

Cidade do Vaticano

Após tantos séculos de evangelização, urge colocar a catequese em caminho rumo a uma profunda renovação. Como o Papa Francisco fala de “Igreja em saída”, podemos dizer que hoje é necessário ter uma “Catequese em saída”.

Ouça e compartilhe!

É o que escreve o diretor da Comissão Nacional da Catequese do Chile, Eduardo Valenzuela Magaña, apresentando o Dia do Catequista, a ser celebrado este sábado, 1º de junho, que, se inspirando no Mês Missionário Extraordinário de outubro 2019, terá como tema “Catequistas em missão”.

Colocar em comunhão com Jesus Cristo

No site da Conferência Episcopal Chilena encontra-se disponível o material para a celebração: além da saudação do presidente da Comissão Nacional da Catequese, o arcebispo de Antofagasta, Dom Ignacio Ducasse Medina, e a introdução de Valenzuela Magaña, há indicações para a missa, para um retiro espiritual, para a lectio divina, além de alguns testemunhos de catequistas.

“O objetivo último da catequese não é ensinar os conteúdos em sentido conceitual/doutrinal, mas colocar em comunhão com Jesus Cristo. O ensinamento dos Pastores da Igreja nos últimos anos evidenciou o fato que a fé não nasce da adesão a ideias, normas ou ética, mas a fé nasce do encontro com a pessoa de Jesus Cristo”, afirma Valenzuela Magaña.

Catequista é testemunha daquilo que crê

“Se nos colocarmos nessa perspectiva, entenderemos que a catequese é, num certo sentido, ‘missionária’, porque busca favorecer o encontro entre Jesus e o catequisando, onde quer que se encontre. Os projetos catequéticos devem abandonar a ideia de estruturar-se segundo a lógica dos conteúdos de modo enciclopédico, para descobrir a vitalidade da fé e seu progresso natural”, acrescenta.

 A Igreja confia esta missão ao catequista, que não deve somente transmitir um conteúdo de fé, mas o catequista é testemunha daquilo que crê, testemunha seu encontro e o seguimento de Jesus. Ninguém inicia os outros na experiência do encontro com Jesus Cristo se esta experiência não passa através da própria vida.

Kerigma, mensagem que todo catequista deve partilhar

“O catequista é uma testemunha, um discípulo missionário, a mulher ou o homem que confia no amor e que quer viver fielmente o anúncio da salvação que recebeu”, lê-se ainda.

Propondo alguns pontos de reflexão para realizar uma “Catequese missionária”, Valenzuela Magaña ressalta que muitos temas podem ser tratados durante os encontros de catequeses, mas o catequista não deve esquecer que “o Kerigma é a mensagem que todo catequista deve partilhar em cada encontro: Jesus Cristo te ama, deu a sua vida para salvar-te, e agora está vivo a seu lado todos os dias, para iluminar-te, para revigorar-te, para libertar-te. Essa mensagem deve ser repetida durante toda a catequese e em cada etapa e momento”.

Lugares e ambientes que requerem pastoral catequética

Para se ter uma “Catequese em saída” é preciso, em primeiro lugar, “reconhecer em quais lugares a catequese ainda não oferece respostas adequadas às necessidades da comunidade. Não se trata de pensar somente ou principalmente na catequese sacramental, mas, particularmente em situações de vida em que hoje não oferecemos um itinerário catequético adequado. Lugares e ambientes que requerem urgentemente uma assistência pastoral catequética, como anciãos, crianças, pré-adolescentes, adultos distantes da Igreja, casais jovens, famílias com trabalhadores em mineiras, o mundo carcerário, e outros”.

Valenzuela Magaña afirma que a mídia em geral e as redes sociais podem oferecer uma ajuda válida para esse tipo de catequeses. “Continuamos pensando que os livros impressos são os únicos meios. Hoje se alguém não sabe algo, procura-o na Internet ou nas redes sociais (nas quais os membros da Igreja não têm uma presença ativa suficiente).”

Alcançar novas searas aonde o Evangelho ainda não chegou

“Este é um areópago ao qual não podemos renunciar e que deve ser evangelizado. Aí tudo deve ser feito. Além disso, existem muitas rádios diocesanas que têm um potencial catequético enorme”.

Concluindo, o diretor da Comissão Nacional da Catequese do Chile ressalta que “certamente essas tarefas nos levam para fora da nossa zona de conforto, mas é necessário fazê-las para colocar a catequese em saída e alcançar novas searas aonde o Evangelho do Senhor ainda não chegou”.

(Fides)

29 maio 2019, 14:34