Busca

Vatican News
Celebração eucarística numa casa em Katuwapitiya Celebração eucarística numa casa em Katuwapitiya  (ANSA)

Sri Lanka. Igrejas fechadas: missas apenas na TV e nos lugares que não são de culto

Para celebrar as missas, os fiéis se reuniram em lugares que não são de culto como escolas e casas.

Cidade do Vaticano

Os católicos do Sri Lanka assistiram a missa, neste domingo (28/04), em suas casas, pela televisão, porque todas as igrejas permanecem fechadas no país, devido aos atentados perpetrados no Domingo de Páscoa, que mataram 253 pessoas e feriram mais de 500, e por causa do medo de novos ataques.

Para celebrar as missas, os fiéis se reuniram em lugares que não são de culto como escolas e casas. A missa foi celebrada ao vivo na TV pelo arcebispo de Colombo, cardeal Malcolm Ranjith, na capela de sua residência, na presença de alguns membros do clero e autoridades políticas do país como o presidente, Maithripala Sirisena, o primeiro-ministro, Ranil Wickremesinghe, e o líder da oposição, Mahinda Rajapaksa.

“Este é um momento em que os nossos corações foram colocados à prova pela grande destruição ocorrida no domingo passado”, disse o purpurado. “Este é o momento em que nos corações humanos pode surgir a pergunta se Deus ainda nos ama ou se tem compaixão de nós”, acrescentou.

Estado de alerta máximo no país

Desde os atentados do Domingo de Páscoa, o Sri Lanka vive num estado de alerta máximo.

As forças de segurança prenderam mais de 100 pessoas e realizaram dezenas de ataques e buscas em toda a ilha. Durante um deles, na sexta-feira (26/04), morreram pelo menos 15 pessoas, dentre as quais 10 civis e cinco supostos terroristas.

Nesta segunda-feira (29/04), a Polícia anunciou que prendeu dois dos cinco mais procurados pelos ataques de Páscoa, cujas fotos foram distribuídas publicamente.

Trata-se de Mohamed Ivuhayim Shahid Abdul Haq e Mohamed Ivuhayim Sadiq Abdul Haq, detidos em Nawalapitiya, a 125 km a leste de Colombo. Estão sendo procuradas outras três pessoas, todas mulheres.

Morto o pai e dois irmãos do suposto artífice dos atentados

Dentre os 15 corpos encontrados pelas forças de segurança no final do tiroteio, na sexta-feira, na parte leste da ilha, há também os cadáveres do pai e de dois irmãos do suposto artífice dos atentados do Domingo de Páscoa, Zahran Hashim, que morreu durante o assalto ao Shangri-La, em Colombo.

A Reuters relata online, citando fontes policiais, que Zahran Hashim, assim como seus dois irmãos Zainee Hashim e Rilwan Hashim, e seu pai Mohamed Hashim, aparecem num vídeo divulgado nas redes sociais para incitar a guerra contra os infiéis e exaltar o martírio.

 

29 abril 2019, 14:54