Cerca

Vatican News
Dom Silvio José Báez, bispo auxiliar de Manágua Dom Silvio José Báez, bispo auxiliar de Manágua  (ANSA)

Nicarágua. Dom Báez: sim ao diálogo, não à violência

Durante a Missa de Páscoa, o bispo auxiliar de Manágua reiterou que "o diálogo é a única solução pacífica" para a crise. Amanhã, as negociações entre o governo e a oposição recomeçam.

Sergio Centofanti, Silvonei José - Cidade do Vaticano

Centenas de fiéis nicaraguenses saudaram calorosamente neste domingo Dom Silvio José Báez, bispo auxiliar de Manágua, que celebrou a Missa da Páscoa na paróquia de Santo Cristo de Esquipulas, antes de se transferir para Roma por algum tempo a pedido do Papa Francisco.

Nicarágua seja uma terra de justiça e liberdade

Em sua homilia, o prelado meditou sobre a Ressurreição de Jesus, convidando os presentes a buscarem a paz, apesar da violência que o país vem experimentando há um ano: "O túmulo está vazio - disse -, Cristo ressuscitou. Não deixemos que nos façam viver num túmulo social. Que a Nicarágua não seja um túmulo; que a Nicarágua seja uma terra de homens e mulheres livres que amam a justiça e a liberdade”.

Esperança no diálogo, não à violência

Dom Báez reiterou que "o diálogo é a única solução pacífica e a que pode evitar as piores consequências"; é necessário, portanto, "ter esperança no diálogo", mas - acrescentou -, "devemos dizer a verdade, este governo não quer dialogar". E continuou: "Nem a liberdade nem a vida são negociadas. O bispo pediu então a libertação dos presos políticos, que - afirmou - "nunca deveriam ter sido presos". Finalmente, lançou este apelo: "Vivam a sua fé (...) que ninguém tire de vocês a esperança nem os façam cair na violência; sejam um povo que renuncia à violência. Não se deixem provocar; acreditem na força do amor e da reconciliação".

Oração do Papa Francisco pela Nicarágua

Neste domingo, em sua Mensagem Pascal, o Papa Francisco elevou esta oração pela Nicarágua:

"Que o Senhor Ressuscitado ilumine os esforços que estão sendo feitos na Nicarágua para encontrar o mais rápido possível uma solução pacífica e negociada em benefício de todos os nicaraguenses”.

As negociações serão retomadas

Nesta terça-feira, (23/04) serão retomadas as negociações em Manágua: seis membros do governo e seis membros da oposição estarão presentes, além do Núncio Apostólico na Nicarágua, Dom Waldemar S. Sommertag  e Luis Ángel Rosadilla, da Organização dos Estados Americanos (OEA), convidados pelas partes a participar do diálogo como testemunhas e acompanhadores internacionais. Das negociações até  agora saíram dois importantes acordos, um sobre a libertação de presos políticos, o outro sobre os direitos e garantias dos cidadãos, mas ainda não foram implementados. As outras duas questões da agenda a serem abordadas são a questão da justiça e do processo democrático.

22 abril 2019, 13:56