Busca

Vatican News
Papa Francisco reunido com líderes do Sudão do Sul após retiro espiritual no Vaticano Papa Francisco reunido com líderes do Sudão do Sul após retiro espiritual no Vaticano 

Gesto do Papa nos convida a trabalhar pela paz, dizem líderes cristãos do Sudão do Sul

"O acordo revitalizado da resolução do conflito no Sudão do Sul é como um voto feito a Deus: estamos dizendo que a paz é boa; a reconciliação é possível; e unidade é o melhor coisa”, conclui a mensagem, referindo-se ao Acordo assinado em 12 de setembro em Addis Abeba". O gesto do Papa Francisco Vaticano de beijar os pés de líderes políticos, "foi um convite para servirem seu povo no Sudão do Sul", dizem os líderes do Conselho de Igrejas do país.

Sua Santidade o Papa Francisco beijou os pés dos nossos líderes, como por dizer, eu sou um servo, agora vocês sirvam a seu povo no Sudão do Sul, é esta a verdadeira mensagem da Páscoa." Este é um dos aspectos que os líderes do Conselho de Igrejas do Sudão do Sul destacou na mensagem de Páscoa.

Em sua mensagem – na qual recordam o gesto do Papa Francisco, que em 11 de abril, na conclusão do retiro espiritual, no Domus Sanctae Marthae no Vaticano, se ajoelhou diante dos líderes políticos do Sudão do Sul - os líderes do organismo que reúne as principais Confissões religiosas do país (representando a Igreja Católica está Dom Paulino Lukudu Loro, arcebispo de Juba) exortaram os sudaneses do sul a celebrar com sinceridade e verdade a festa da Ressurreição do Senhor e a trabalharem incessantemente pela paz.

A reconciliação é possível e união é a melhor coisa

 

"O clamor dos pobres que têm fome e sede de justiça nos vincula em consciência e nos compromete com o nosso ministério. Eles são os menos visíveis aos olhos do mundo, mas preciosos aos olhos de Deus. No hino nacional do Sudão do Sul, prometemos proteger nossa nação. Certamente fazemos esse voto cada vez que cantamos o hino nacional. O acordo revitalizado da resolução do conflito no Sudão do Sul é como um voto feito a Deus: estamos dizendo que a paz é boa; a reconciliação é possível; e unidade é o melhor coisa”, conclui a mensagem, referindo-se ao Acordo assinado em 12 de setembro em Addis Abeba pelo presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, e pelo líder rebelde, o ex-vice-presidente Riek Machar, para resolver o conflito que eclodiu em dezembro de 2013. (Agência Fides)

28 abril 2019, 18:31