Cerca

Vatican News
Adotar um novo estilo de vida que respeite a criação Adotar um novo estilo de vida que respeite a criação 

Bispos indonésios do Bornéu: respeitar os dons da criação

Bispo de Palangkaraya, Dom Aloysius Maryadi Sutrisnaatmaka defende que a família pode desempenhar um papel fundamental na tutela do ecossistema ambiental, porque o Bornéu “é a nossa casa comum”. Uma “casa” na qual se estende 73% do território indonésio, ilha cinco vezes maior do que a ilha de Java onde se encontra a capital Jacarta

Cidade do Vaticano

Meditar sobre os dons da criação e adotar um novo estilo de vida que respeite a criação e saiba enfrentar os desafios ambientais que se apresentam ao Kalimantan, área geográfica do Bornéu na Indonésia, país do sudeste asiático: esse foi o convite formulado por oito bispos locais, dois dos quais eméritos, à comunidade católica, numa Carta pastoral conjunta publicada por ocasião da celebração da Páscoa. No documento os prelados oferecem aos fiéis algumas indicações das quais partir para assumir comportamentos eco compatíveis.

Ouça e compartilhe!

Utilizar da melhor forma materiais oferecidos pela mãe terra

Segundo o bispo de Ketapang, Dom Pius Riana Prapdi, “utilizar da melhor forma os matérias naturais que nossa mãe terra oferece é certamente um imperativo moral, que todos nós somos chamados a colocar em prática”.

Por sua vez, o bispo de Banjarmasin, Dom Petrus Boddeng Timang, expressa preocupação pela “insustentável exploração com a qual as mineradoras ameaçam o solo do sul do Bornéu”. Ricas de carvão e petróleo, nos últimos anos as províncias do norte, sul e leste do Kalimantan se tornaram terra de conquista para as colossais mineradoras nacionais e estrangeiras.

Exame de consciência e mudança de atitude

“Nossa egocêntrica avidez pelo lucro criou perigos catastróficos para nosso ambiente: deslizamentos de terra, inundações e até mesmo o desaparecimento de algumas espécies animais”, afirma Dom Timang numa declaração reportada pela agência missionária AsiaNews.

“Devemos fazer um profundo exame de consciência e mudar radicalmente de atitude se não quisermos colocar em risco este maravilhoso pulmão verde que é testemunho direto do amor de Deus”, diz ainda o bispo de Banjarmasin.

Presença da Igreja católica no Bornéu

Já o bispo de Palangkaraya, Dom Aloysius Maryadi Sutrisnaatmaka, defende que a família pode desempenhar um papel fundamental na tutela do ecossistema ambiental, porque o Bornéu “é a nossa casa comum”. Uma “casa” na qual se estende 73% do território indonésio, ilha cinco vezes maior do que a ilha de Java onde se encontra a capital Jacarta.

A Igreja católica está presente no Bornéu com cerca de um milhão e setecentos mil fiéis e duas províncias eclesiásticas: Pontianak e Samarinda. Além das arquidioceses destas duas cidades, há ainda seis dioceses: Ketapang, Sanggau e Sintang, sufragâneas de Pontianak; Banjarmasin, Palangkaraya e Tanjung Selor sufragâneas de Samarinda.

Carta pastoral traz outros temas de atualidade

A Carta pastoral toca ainda outros temas de atualidade na sociedade indonésia como o abuso dos meios tecnológicos com consequente poluição provocada por materiais em desuso.

O arcebispo de Pontianak, Dom Agustinus Agus, cita na carta os resultados de um estudo que mostra que a difusão dos aparelhos celulares no país passou de 70 milhões de usuários em 2016 para 103 milhões dois anos depois.

(L'Osservatore Romano)

25 abril 2019, 14:45