Cerca

Vatican News
Arcebispo de Manágua, na Nicarágua, Cardeal Leopoldo José Brenes Solórzano Arcebispo de Manágua, na Nicarágua, Cardeal Leopoldo José Brenes Solórzano 

Nicarágua. Card. Brenes após apelo do Papa: diálogo, único caminho

O arcebispo de Manágua afirmou que o diálogo é o único caminho, junto ao encontro e a discussão, acrescentando que, para alcançar o bem comum, este diálogo deve ser sincero. Para tal, ressaltou a necessidade, da parte de todos, de não se perder o controle, evitando desnaturalizar o diálogo e, por conseguinte, não conseguir produzir os frutos de justiça, liberdade e paz para a Nicarágua

Cidade do Vaticano

“O diálogo não é o espaço que serve para aniquilar o outro, mas onde todos podem expressar suas ideias, ouvir e tomar a melhor opção, não a nível dos participantes, mas para o bem da comunidade que busca sempre o bem comum.”

Ouça a reportagem!

Foi o que disse o arcebispo de Manágua, na Nicarágua, cardeal Leopoldo José Brenes Solórzano, solicitado por jornalistas a comentar as palavras do Papa Francisco no Angelus deste domingo (24/03), que disse acompanhar com a oração a iniciativa de diálogo em curso no país e encorajou as partes envolvidas a encontrar, o quanto antes, uma solução pacífica para o bem de todos.

Para alcançar o bem comum, diálogo deve ser sincero

O purpurado reiterou alguns conceitos. Em primeiro lugar, o diálogo é o único caminho junto ao encontro e a discussão. O arcebispo da capital nicaraguense acrescentou que, para alcançar o bem comum, este diálogo deve ser sincero.

Para tal, ressaltou a necessidade, da parte de todos os cidadãos, de não se perder o controle, evitando desnaturalizar o diálogo e, consequentemente, não conseguir produzir os frutos de justiça, liberdade e paz para a Nicarágua.

Constante atenção do Santo Padre à crise nicaraguense

Também o bispo auxiliar de Manágua, Dom José Silvio Báez, quis ressaltar a atenção do Santo Padre que sempre acompanha a crise no país centro-americano, e insistiu sobre a força da oração: “A oração tornará profícuo este momento que parece difícil, que parece estéril”. Em seguida, exortou os nicaraguenses a não perder a esperança diante de os resultados esperados não terem sido alcançados rapidamente.

“O cristão deve aprender a paciência histórica, esperar, mas pedindo para não retardar os tempos, nem antecipá-los imprudentemente”, aconselhou o bispo em declarações enviadas à agência missionária Fides.

Dom Báez pediu que se tenha confiança no enviado especial do secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Ángel Rosadilla, e no núncio apostólico na Nicarágua, Dom Waldemar Stanislaw Sommertag, que testemunham e acompanham a mesa de diálogo nacional.

Diálogo tem que ser transparente

O bispo recordou também que o diálogo deve ser transparente: “Não pode ser um diálogo que esconde a vontade do mais poderoso que poderia estar por trás. Tudo deve ser feito de modo que não haja acordos escondidos por trás das pessoas”.

Concluindo, Dom Báez definiu “excessivo” o período máximo de 90 dias concordado pelo governo de Daniel Ortega com a Aliança Cívica para libertar os prisioneiros políticos: “Pessoalmente, considero ser um período excessivo, parece-me demasiadamente longo”, ponderou.

Crise desencadeada em abril de 2018

A crise sociopolítica na Nicarágua teve início em 18 de abril de 2018, com os protestos contra a reforma do sistema previdenciário, os quais foram seguidos de violentos protestos de praça e uma dura repressão por parte do governo.

Segundo organismos humanitários independentes, são 325 mortos desde abril de 2018. A Comissão interamericana para os direitos humanos da OEA fala, ao invés, de mais de 500. Embora o Diálogo nacional pareça recomeçar com a presença de uma representação da OEA, ainda há muita tensão devido ao elevado número de mais de 600 prisioneiros políticos.

(Fides)

26 março 2019, 14:04