Cerca

Vatican News
Bispos da Nicarágua Bispos da Nicarágua 

Nicarágua: os bispos não participarão da mesa do Diálogo nacional

A Conferência Episcopal da Nicarágua declina o convite para participar da mesa do diálogo nacional. Os bispos acompanharão "como pastores estes momentos cruciais" de seu país, exercendo "a missão profética" e dedicando-se à oração e ao ministério da Palavra.

Patricia Ynestrosa e Silvonei José - Cidade do Vaticano

Em um comunicado divulgado nesta sexta-feria (08/03), a Conferência Episcopal da Nicarágua reafirma sua gratidão ao governo e à Aliança Cívica pela Justiça e a Democracia, mas declina o convite para participar como "testemunha e acompanhadora" da mesa de negociações.

 

Nicarágua: os bispos convidados à mesa de negociações

Os bispos reiteram, conforme destacado no comunicado da última segunda-feira, que "neste momento histórico, nossa maior contribuição como pastores desta Igreja peregrina na Nicarágua será continuar acompanhando o povo em seus sofrimentos e tristezas, em suas esperanças e alegrias", e elevar nossas orações de intercessão para que a Nicarágua encontre caminhos de civilização e justiça, para uma solução pacífica, tendo em vista o bem comum".

As negociações sigam o caminho da verdade

Da mesma forma, recordam as palavras do Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium: "É tempo de saber como projetar, em uma cultura que privilegie o diálogo como forma de encontro, a busca de consensos e acordos, sem porém separá-la da preocupação por uma sociedade justa, capaz de memória e sem exclusões".

Busca pela verdade e justiça

Os bispos esperam que essas negociações tenham o espírito de busca da verdade e da justiça, convencidos, como São João Paulo II, de que "a hora do laicato realmente chegou". Portanto, acrescentam: "sentimos que devem ser os leigos a assumirem diretamente a responsabilidade de administrar neste momento as questões temporais da nação".

Orações e jejum

O comunicado termina com uma exortação à população a "intensificar" as orações e os jejuns pelo país, “especialmente nesta época da Quaresma”. E, confiando na Virgem Maria, Rainha da Paz, imploram a graça de se tornar construtores da verdadeira paz.

09 março 2019, 15:44