Cerca

Vatican News
Cruzes Cruzes 

Dois sacerdotes assassinados na África

Nos Camarões, foi assassinado um frade capuchinho centro-africano que trabalhava no Chade. A sua trágica morte ocorreu nos mesmos dias em que foi descoberto o corpo do padre Clement Rapuluchukwu Ugwu, sacerdote nigeriano sequestrado há uma semana no Estado de Enugu.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

Um padre capuchinho de nacionalidade centro-africana foi assassinado nos Camarões enquanto regressava à sua comunidade em Mbaibokoum, no Chade. De acordo com o que foi comunicado à Agência Fides pela Custódia Geral dos Capuchinhos para o Chade e a República Centro-Africana, o padre Toussaint Zoumaldé tinha ido à diocese de Bouar, na parte ocidental do país, de onde era originário, para animar um curso de formação para sacerdotes locais. O capuchinho estava regressando à sua comunidade no Chade, passando pelos Camarões. Na noite de 19 para 20 de março, desconhecidos o atacaram e o assassinaram a golpes de arma branca em Ngaoundéré (Camarões), onde tinha parado para descansar. Até este momento, os seus assassinos não foram encontrados. O pe. Toussaint, nascido em 1971, tinha trabalhado durante muito tempo como jornalista na Rádio Siriri, da diocese de Bouar, e compôs vários cantos religiosos.

Ouça a reportagem

Nigéria: encontrado o corpo do sacerdote sequestrado há uma semana

O sequestro do padre Clemente Rapuluchukwu Ugwu, pároco da Igreja de San Marco, em Obinofia Ndiuno, na Área de Governo Local de Ezeagu, no Estado de Enugu, no sul da Nigéria, terminou de forma trágica. O corpo do sacerdote em estado de decomposição foi encontrado nesta quarta-feira (20/03), na floresta, não muito longe do local do sequestro. Na noite de 13 de março, padre Ugwu foi levado à força da casa paroquial por alguns bandidos que o teriam ferido com um tiro. Dom Callistus Onaga, bispo de Enugu, convidou a polícia a capturar os assassinos do padre e denunciou a série de assassinatos violentos em todo o país. O prelado convidou ainda os cristãos a intensificarem as suas orações pela salvação do país. Dom Onaga lamentou o fato de as forças policiais não terem conseguido salvar o padre Ugwu, apesar das garantias que estavam nas pegadas dos sequestradores, enquanto eles continuavam a tirar dinheiro da conta do padre através de um cartão. "Nós imediatamente denunciamos o sequestro do padre Ugwu à polícia e desde então eu fui à delegacia de polícia três vezes, mas eles continuavam me dizendo 'estamos perto dos sequestradores'. Duvido que estivessem fazendo alguma coisa porque o corpo do padre Ugwu foi encontrado a 20 quilômetros de sua casa", disse Dom Onaga. (L.M. - Agenzia Fides)

21 março 2019, 16:00