Cerca

Vatican News
"Ano de Deus que fala" terá início em 30 de setembro próximo, na Galeria Nacional de Londres "Ano de Deus que fala" terá início em 30 de setembro próximo, na Galeria Nacional de Londres 

Igreja da Inglaterra e Gales: Ano dedicado às Sagradas Escrituras

“Fomos inspirados pelo décimo aniversário da exortação apostólica de Bento XVI Verbum Domini e pelos mil e seiscentos anos da morte de São Jerônimo, o padre e doutor da Igreja que traduziu para o latim parte do Antigo Testamento grego e, sucessivamente, todas as Escrituras hebraicas”, afirma o responsável pelo programa, Fleur Dorrell

Cidade do Vaticano

No Reino Unido o ano 2020 será dedicado às Sagradas Escrituras, por ocasião do décimo aniversário da Verbum Domini, exortação apostólica de Bento XVI sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja, e dos mil e seiscentos anos da morte de São Jerônimo. A iniciativa é promovida pela Conferência Episcopal da Inglaterra e Gales e pela Sociedade Bíblica, organização sem fins lucrativos que difunde a Bíblia em mais de duzentos países.

Ouça e compartilhe!

A iniciativa tem como nome “Ano de Deus que fala” e terá início em 30 de setembro próximo, na Galeria Nacional de Londres, com uma mensagem gravada pelo arcebispo de Westminster e presidente da Conferência Episcopal da Inglaterra e Gales, cardeal Vincent Gerard Nichols.

Um Evangelho para autistas e outro na língua dos sinais

Trata-se de um projeto pensado pelos bispos católicos em colaboração com a Sociedade Bíblica, que apoiará e financiará novas propostas durante os meses do ano. Está programado um Evangelho pensado para quem sofre de autismo e outro, o Evangelho segundo Mateus, na língua dos sinais. Entre as iniciativas encontra-se uma obra artística que passará pelas vinte e duas dioceses católicas da Inglaterra e Gales “para iniciar uma conversação sobre Deus” e também um número de coros de migrantes para uma série de concertos.

O exemplo de São Jerônimo

A ideia de doze meses de imersão total nas Escrituras veio do responsável pelo programa e do bispo de Wrexham, respectivamente, Fleur Dorrell e Dom Peter Brignall.

“Pertencemos a um grupo que se ocupa das Sagradas Escrituras, no âmbito do departamento para a evangelização e a catequese da Conferência Episcopal da Inglaterra e Gales. Pensamos que seria realmente entusiasmante concentrar toda a Igreja católica inglesa, durante um ano, nas Escrituras num modo jamais experimentado antes”, disse Dorrell à agência Sir.

“Fomos inspirados pelo décimo aniversário da exortação apostólica de Bento XVI Verbum Domini e pelos mil e seiscentos anos da morte de São Jerônimo, o padre e doutor da Igreja que traduziu para o latim parte do Antigo Testamento grego e, sucessivamente, todas as Escrituras hebraicas”, acrescentou.

“Ano de Deus que fala”

E assim o “Ano de Deus que fala” terá início em 30 de setembro próximo, na festa de São Jerônimo. Na Trafalgar Square, no coração da capital britânica, numa mensagem vídeo transmitida tendo como pano de fundo um quadro do santo, o cardeal Nichols explicará quem era São Jerônimo e que importância teve como estudioso católico das Escrituras.

“Queremos encontrar novos modos de promover a Bíblia que não tenham sido experimentados antes. Usar a criatividade para comunicar a mensagem da Bíblia é um modo vivo e dinâmico de falar sobre Deus”, acrescentou Dorrell.

Migrantes e refugiados

Durante o “Ano de Deus que fala” a Igreja católica da Inglaterra e Gales terá a oportunidade de ouvir as vozes de muitos diferentes grupos e, entre esses, será reservado um lugar privilegiado a migrantes e refugiados políticos.

“Os coros que se apresentarão pelo país darão a essa categoria de pessoas a oportunidade de expressar-se em sua língua, ao invés do inglês, envolvendo, através da música, muitas pessoas de diferentes proveniências. Outro grupo importante são os necessitados de cuidados especiais. Estamos nos interpelando sobre como fazer de modo que as Sagradas Escrituras cheguem a quem não é capaz de ver ou ouvir ou simplesmente não tem o nível de instrução necessário para entender a Bíblia”, concluiu Dorrell.

Um Evangelho por imagens

A esse propósito, as associações que representam os necessitados de cuidados especiais pediram a preparação de uma versão em imagens das histórias contidas no Evangelho, que seja acessível a quem sofre de autismo, e também o Evangelho segundo Mateus na língua dos sinais para as pessoas surdas.

(L’Osservatore Romano)

12 fevereiro 2019, 16:41