Cerca

Vatican News
Pe. Victor Luke Odhiambo, o primeiro jesuíta de nacionalidade queniana Pe. Victor Luke Odhiambo, o primeiro jesuíta de nacionalidade queniana 

Padre jesuíta é assassinado no Sudão do Sul

O Pe. Victor Luke Odhiamboil foi morto na noite de quarta-feira (14) por um grupo de homens armados que invadiu a residência dos jesuítas na cidade de Cueibet, no estado de Gok. Ninguém mais ficou ferido no local. Governo estadual decretou três dias de luto.

Andressa Collet - Cidade do Vaticano

O primeiro jesuíta de nacionalidade queniana foi assassinado no Sudão do Sul. O Pe. Victor Luke Odhiamboil foi morto na noite de quarta-feira (14) por um grupo de homens armados que invadiu a comunidade dos jesuítas na cidade de Cueibet, no estado de Gok. Ninguém mais ficou ferido no local.

Ouça a reportagem

Uma luz que foi extinta e deixa traços

O ministro da Informação de Gok, John Madol, comunicou que uma pessoa foi presa e que o governo local decretou três dias de luto. Já o prepósito-geral da Companhia de Jesus, Pe. Arturo Sosa Abascal, sublinhou que o queniano “deixa um nome, não somente no Sudão do Sul como primeiro jesuíta a morrer em serviço pelo seu povo, mas em toda a África Oriental como professor de milhares de estudantes em Nairobi, no Quênia, e na Dar Es Salaam, na Tanzânia”. Ele acrescentou que o sacerdote "era um homem muito corajoso, inteligente, administrador criativo e, sobretudo, fiel no valor da instrução. Não tinha medo de se aventurar no desconhecido nem nos lugares mais perigosos, uma vez que fosse seguro da missão desejada pelo Senhor. O seu exemplo de dedicação desinteressada, como presidente, permanece um desafio para muitos dos nossos irmãos mais jovens na Companhia de Jesus. É uma luz, que foi extinta, depois de ter iluminado outras luzes".

Pe. Victor foi o primeiro queniano jesuíta. Ele nasceu em 20 de janeiro de 1956 e integrou a Companhia de Jesus em 4 de julho de 1978. No Sudão do Sul, o sacerdote era presidente da Escola de Professores Mazzolari e era vice-Superior da comunidade jesuíta de Cuibet, desde janeiro de 2017. (Fides)

 

16 novembro 2018, 17:49