Cerca

Vatican News
Cardeal caldeu  Louis Raphael I Sako, patriarca dos caldeus Cardeal caldeu Louis Raphael I Sako, patriarca dos caldeus  (AFP or licensors)

Conferência dos Patriarcas do Oriente em Bagdá, sinal de esperança para o Iraque

A 26ª reunião dos Patriarcas Orientais Católicos prossegue até 30 de novembro e, em continuidade com o Sínodo de outubro no Vaticano, é dedicada aos jovens, "sinal de esperança no Oriente Médio". Ao final dos trabalhos, será publicado um documento sobre a situação dos cristãos no Oriente Médio.

Cidade do Vaticano

Chamados por Jesus para responder "unidos" como cristãos do Oriente, aos prementes desafios do extremismo religioso e da emigração. A união, de fato, é mais forte que as divisões históricas, no respeito das divergências de ideias e opiniões. Este é o apelo lançado pelo patriarca caldeu  Louis Raphael I Sako, no discurso abertura na segunda-feira, 26, em Bagdá, da 26ª Conferência dos Patriarcas católicos do Oriente.

Assembleia dos patriarcas em Bagdá é encorajamento para o Iraque

 

É "significativo" – salientou o cardeal Sako - que a reunião se realize pela primeira vez no Iraque, país onde "os cristãos vivem em circunstâncias difíceis e diante de desafios sem precedentes".

A presença dos patriarcas - observou ele - "é uma forte expressão de solidariedade com tudo aquilo que o povo iraquiano passou e vive, entre perseguições, fugas, abandono,  migrações forçadas. Esta assembleia nos enche de esperança e encoraja as famílias a regressarem e permanecerem em sua pátria, conservando a fé, a identidade, as raízes e tradições linguísticas e morais".

Apelo ao novo governo iraquiano pela reconciliação

 

A este respeito, o patriarca caldeu convidou todos os participantes a aprofundar a "espiritualidade e a teologia do êxodo e do cativeiro, a teologia do retorno, da reconstrução e da renovação" contidas no Antigo Testamento, "patrimônio fértil e inspirador" para "as tantas famílias deslocadas no Iraque e na Síria", que desejam se reestabelecer em sua pátria e reconstruir suas casas.

O purpurado fez votos de que o "recém-formado novo governo do Iraque dê prioridade a um plano prático e respeitável,  voltado à reconciliação das comunidades", uma estratégia orientada  a permitir a todos os iraquianos de alcançar liberdade, dignidade, justiça social e iguais oportunidades de cidadania e acesso aos serviços.

Missa no local do massacre de 2010

 

A 26ª reunião dos Patriarcas Orientais Católicos prossegue até 30 de novembro e, em continuidade com o Sínodo de outubro no Vaticano, é dedicada aos jovens, "sinal de esperança no Oriente Médio".

O início dos trabalhos na segunda-feira  foi caracterizado por uma concelebração eucarística presidida pelo Patriarca sírio-católico Ignace Youssif III Younan, na Catedral sírio-católica de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, palco em 31 de outubro de 2010 do massacre de 50 fiéis e de dois sacerdotes, perpetrado por um comandos da Al Qaeda.

Nesta terça-feira,  encontro dos Patriarcas com jovens iraquianos

 

A terça-feira foi marcada pelo encontro do patriarca com um grande grupo de jovens cristãos na Catedral caldeia de São José.

Na Conferência, que prevê a publicação de um documento final sobre a situação dos cristãos no Oriente Médio, participam entre outros, o patriarca maronita Bechara Boutros Rai, o patriarca copta-católico Ibrahim Isaac Sidrak, o patriarca melquita Youssef Absi, o patriarca armênio-católico Krikor Bedros XX Ghabroyan, o bispo Dom William Shomali representando o Patriarcado Latino de Jerusalém, e a professora Souraya Bechealany, secretária-geral do Conselho das Igrejas do Oriente Médio.

27 novembro 2018, 16:30