Cerca

Vatican News
Basílica do Santo Sepulcro em Jerusalém Basílica do Santo Sepulcro em Jerusalém 

Igrejas dos EUA: bens eclesiásticos não sejam confiscados pela lei israelense

Dezenas de expoentes representativos de Igrejas e comunidades cristãs nos Estados Unidos assinaram uma carta enviada ao Secretário de Estado, Mike Pompeo, expressando sua preocupação sobre o projeto de lei acerca da possibilidade de confiscar terrenos de propriedade eclesiástica que está sendo estudado pelo Parlamento israelense

Cidade do Vaticano

“Patriarcas e chefes das Igrejas de Jerusalém”, diz a carta, “consideram esta legislação uma ameaça para sua existência”, e essa preocupação “não pode ser subestimada”. A carta dos chefes das Igrejas dos Estados Unidos a ao Secretário de Estado Mike Pompeo recorda também que em fevereiro passado, quando o projeto de lei foi submetido pela primeira vez à atenção do Parlamento Knesset, os Chefes das Igrejas de Jerusalém fecharam por três dias a Basílica do Santo Sepulcro como gesto de protesto público para denunciar a “campanha persistente contra as Igrejas e a comunidade cristã na Terra Santa, em flagrante violação do ‘Status Quo’”, atribuído às autoridades israelenses.

Ouça e compartilhe

Israel contesta a venda das propriedades eclesiásticas a grupos privados

No centro das controvérsias estão as propriedades imobiliárias eclesiásticas que no passado foram alugadas por longos períodos – até 99 anos – ao Fundo Judaico Nacional, e que recentemente os mesmos proprietários, por motivos de dívidas, teriam vendido a grandes grupos imobiliários privados. Em fevereiro, o inesperado “fechamento” do Santo Sepulcro foi cancelado pelo anúncio de que o governo de Israel teria procurado junto com as Igrejas presentes na Terra Santa, soluções comuns para superar os pontos de contraste. As negociações deveriam ser realizadas por uma comissão presidida pelo Ministro da Cooperação Regional de Israel, Tzachi Hanegbi.

O bloqueio do projeto de lei israelense

Depois de quase nove meses, os expoentes cristãos que assinaram a carta ao Secretário de Estado americano, pedem para que o governo EUA negociem com os líderes israelenses para “garantir que este projeto de lei seja bloqueado definitivamente”. Entre os expoentes que assinaram estão a Arquidiocese cristã ortodoxa antioquiana da América do Norte, os representantes da Igreja Ortodoxa da Armênia, a Igreja Episcopal, a Igreja Luterana da América do Norte e a Igreja Presbiteriana.

12 novembro 2018, 11:45