Cerca

Vatican News
Documento episcopal fala também sobre movimento dos direitos civis guiado por Martin Luther King Documento episcopal fala também sobre movimento dos direitos civis guiado por Martin Luther King 

Bispos estadunidenses: documento contra racismo de ontem e de hoje

No documento, explica Dom Fabre, “se recorda que todos somos irmãos e irmãs, todos igualmente feitos à imagem de Deus. O racismo é sobretudo um problema moral e teológico, que se manifesta institucional e sistematicamente”. Carta pastoral foi difundida ao término da recente assembleia plenária.

Cidade do Vaticano

EUA. “Todo o corpo episcopal sentiu a necessidade de abordar o tema do racismo, mais uma vez, após ter assistido à deterioração do discurso público e a episódios de violência e tensão com matizes raciais e xenófobas, reemergidas na sociedade estadunidense nos últimos anos. As cartas pastorais de todo o episcopado são raras, poucas e distantes uma da outra. Mas nos momentos-chave da história os bispos se reuniram para pronunciamentos importantes, prestando atenção a uma questão particular e com a intenção de oferecer uma resposta cristã, repleta de esperança, aos problemas do nosso tempo. Este é um daqueles momentos.”

Uma carta pastoral contra o racismo

Carta difundida ao término da recente assembleia plenária

O bispo de Houma-Thibodaux, Dom Shelton Joseph Fabre, presidente do comitê ad hoc dos bispos dos EUA contra o racismo, bem como da subcomissão para os assuntos afro-americanos, explica com essas palavras os motivos que levaram à publicação do documento intitulado Abrir de par em par nossos corações: chamado duradouro ao amor. Uma carta pastoral contra o racismo. A carta foi difundida pelo episcopado estadunidense ao término da recente assembleia plenária.

Criado em agosto de 2017, o comitê ad hoc contra o racismo aborda este fenômeno na sociedade e na Igreja, indicando a urgente necessidade do diálogo e do intercâmbio para encontrar soluções comuns. Nessa carta, explica ainda Dom Fabre, “se recorda que todos somos irmãos e irmãs, todos igualmente feitos à imagem de Deus. O racismo é sobretudo um problema moral e teológico, que se manifesta institucionalmente e sistematicamente”.

Superação do racismo requer encontro pessoal com Cristo

 

“Somente uma profunda conversão individual do coração, multiplicando-se, levará a mudanças e reformas em nossas instituições e sociedade. É imperativo enfrentar as causas profundas do racismo e a injustiça que produz. O amor de Deus nos une e esse mesmo amor deveria transbordar em nossas relações com todas as pessoas. As conversões necessárias para superar o racismo requerem um encontro profundo com o Deus vivo na pessoa de Cristo que pode curar toda divisão”, acrescenta o prelado.

As trinta e duas páginas do documento contêm não somente uma análise social e bíblica sobre o racismo, mas reúnem também histórias em torno de algumas comunidades que vivem no país desde a sua fundação ou que chegaram em tempos recentes, refere a agência Sir.

Latino-americanos vítimas de linchamentos

Alguns parágrafos são dedicados aos nativos norte-americanos obrigados a abandonar suas terras para ser recolocados nas reservas. Várias páginas falam sobre os afro-americanos, a experiência deles de escravidão e sobre o movimento dos direitos civis guiado por Martin Luther King, chegando aos muitos carismas e beatos nascidos propriamente em contextos de marginalidade.

Uma seção especial é dedicada aos hispânicos que “sofreram e ainda sofrem discriminação no trabalho, para encontrar casa, na instrução e no sistema de saúde. E traz também casos de linchamento que tiveram como vítimas pessoas provenientes da América Latina.

Pedidos de perdão por pecado de racismo no seio da Igreja

O prelados pedem perdão pelos pecados de racismo cometidos no seio da Igreja pelo próprio clero, bem como pelos responsáveis e membros leigos e pedem uma mudança decisiva.

Nas paróquias, por exemplo, é preciso um forte investimento na formação. A composição dos grupos, a distribuição dos encargos, até mesmo as homilias não podem deixar de voltar-se para a justiça e a dignidade das pessoas.

Racismo é pecado que divide a família humana

O episcopado estadunidense volta a falar coletivamente sobre questões raciais depois de quase quarenta anos. Com efeito, era 1979 quando foi aprovada Irmãos e irmãs para nós. Uma carta pastoral sobre racismo em nossos dias.

Ressaltava-se, entre outras coisas, que “o racismo é um pecado, um pecado que divide a família humana, elimina a imagem de Deus entre membros específicos daquela família e viola a fundamental dignidade humana daqueles que são chamados a ser filhos do mesmo Pai”. Agora “Abrir de par em par nossos corações: chamado duradouro ao amor. Uma carta pastoral contra o racismo” renova esta mensagem.

(L’Osservatore Romano)

26 novembro 2018, 11:19