Versão Beta

Cerca

Vatican News
Encontro da REPAM em vista do Sínodo Encontro da REPAM em vista do Sínodo 

Chamado do Papa ultrapassa fronteiras eclesiais na Amazônia

Em atividade realizada pela Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM, 30 jovens refletiram sobre o Sínodo e responderam ao questionário do Documento Preparatório.

Cidade do Vaticano

Jovens da Amazônia brasileira estiveram reunidos em Manaus/AM, entre os dias 07 e 09 de setembro, na escuta para o Sínodo de 2019.

Em atividade realizada pela Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM-Brasil, os 30 representantes, de uma diversidade de grupos juvenis, refletiram sobre o Sínodo e responderam ao questionário do Documento Preparatório.

Ao Vatican News, Tipuici, da comunidade indígena Manoki, conta a sua experiência e mostra como o chamado do Papa Francisco ultrapassou as fronteiras eclesiais na Amazônia:

Ouça a reportagem completa

Pastorais, movimentos eclesiais e sociais, congregações religiosas, comunidades indígenas e quilombolas estiveram representadas no encontro. Os jovens divulgaram uma carta aberta à Igreja e à sociedade. No texto, que reflete as respostas ao questionário, os jovens indígenas, caboclos, ribeirinhos, quilombolas, extrativistas, habitantes da zona rural e urbana, moradores das periferias e das fronteiras, afirmam que são “afetados diretamente pelas ameaças que dia a dia excluem, matam, degradam e cerceiam a vida dos povos”.

Ainda na carta, denunciam “os grandes projetos como a construção de hidroelétricas, a exploração do minério, as indústrias, garimpos, contaminam nossos rios, invadem nossos territórios e nos condenam a uma vida sem qualidade e plenitude atestando a ausência de políticas públicas e de adequada regulação do Estado. O livre acesso nas fronteiras ameaçam a vida das mulheres, crianças e adolescentes que são exploradas, abusadas, traficadas e prostituídas para atender uma lógica que transforma as pessoas em mercadorias. O narcotráfico, o extermínio dos jovens nas cidades, os problemas relacionados à saúde mental e suicídio são ameaças em nossa realidade particular. A desvalorização e banalização dos elementos da cultura indígena, a falta de agilidade nos processos de demarcação dos territórios, o infanticídio causado pelo avanço do agronegócio, a imposição da religião cristã representam graves problemáticas à vida dos povos indígenas, a quem devemos ter um olhar especial durante este Sínodo”.

Pensando na Igreja com rosto amazônico, a juventude da Amazônia brasileira afirma querer que ela seja “inculturada, que respeite a diversidade da juventude dos povos amazônicos, que resistem e assumem as lutas nos diversos espaços em que estão inseridos”. E pedem “à hierarquia eclesial e a todo o povo de Deus, coragem para responder aos desafios do nosso século e que possam acreditar na beleza da novidade que a juventude traz”, afirma o texto.

Os jovens encerram a carta manifestando apoio ao Papa Francisco, cujo pontificado “lança sopros de alegria e novidade no seio da Igreja no processo de escuta do Sínodo da Juventude e Sínodo para a Amazônia”, dizem os eles. Como horizonte a ser perseguido, a partir do Sínodo, os jovens afirmam sonhar “uma Igreja na qual as juventudes sejam protagonistas e que as mulheres tenham voz e vez. Uma igreja que promova e defenda a vida em todos os âmbitos, sem medo de assumir e atuar na opção preferencial pelos pobres, a luta dos povos indígenas, comunidades tradicionais, migrantes e jovens da Amazônia. Uma Igreja menos clerical, em que os leigos e leigas, especialmente as juventudes, se apropriem, sejam protagonistas na ação pastoral e tenham apoio na capacitação técnica para sua atuação, dentro e fora dos espaços eclesiais”, concluem as juventudes da Amazônia brasileira presentes na atividade de escuta.
 

17 setembro 2018, 10:00