Versão Beta

Cerca

Vatican News
Arcebispo de Mumbai, na Índia, cardeal Oswald Gracias, um dos participantes do Fórum para a paz na Coreia Arcebispo de Mumbai, na Índia, cardeal Oswald Gracias, um dos participantes do Fórum para a paz na Coreia 

Bispos asiáticos, apóstolos de reconciliação: a paz é possível na Coreia

“Para alcançar a reconciliação devemos esforçar-nos por construir a confiança recíproca”, disse o cardeal indiano Oswald Gracias acrescentando que “o diálogo para a paz não deve permanecer somente a nível de conversação, mas deve necessariamente levar à ação”.

Cidade do Vaticano

“Apesar da hostilidade e dos perigos do contexto em que vivem, os bispos asiáticos são verdadeiramente corajosos na defesa da dignidade humana e na prática da justiça social. São verdadeiros apóstolos da paz comprometidos num diálogo incessante com pessoas de várias línguas, religiões e etnias, a fim de alcançar a reconciliação.”

Fórum para a partilha da paz na península coreana

Foi o que disse o arcebispo de Seul, na Coreia do Sul, e administrador apostólico de Pyongyang, Coreia do Norte, cardeal Andrew Yeom Soo-jung, no encerramento da terceira edição do “Fórum para a partilha da paz na península coreana”, realizado estes dias na Arquidiocese de Seul.

Contribuição de expoentes da Igreja na Ásia

 

Segundo referido à agência missionária Fides pelo Setor de Comunicações da Arquidiocese de Seul, o purpurado introduziu a presença de representantes asiáticos como o arcebispo de Mumbai, na Índia, cardeal Oswald Gracias; o arcebispo de Yangun, em Mianmar, cardeal Charles Maung Bo; e o arcebispo ordinário de Lahore, no Paquistão, Dom Sebastian Francis Shaw: pessoas chamadas a oferecer um testemunho, uma perspectiva e pontos de reflexão preciosos para a situação coreana.

Diálogo para a paz deve necessariamente levar à ação

 

O cardeal Gracias observou que “para alcançar a reconciliação devemos esforçar-nos por construir a confiança recíproca” e afirmou que “o diálogo para a paz não deve permanecer somente a nível de conversação, mas deve necessariamente levar à ação”.

O cardeal Maung Bo recordou que “a Igreja em Mianmar cresceu pari passu com a democratização do país e a Igreja está contribuindo para a reconstrução do país, em particular em matéria de instrução, defesa dos direitos humanos, das mulheres e das minorias étnicas”.

O purpurado acrescentou que “a Igreja em Mianmar está trabalhando muito no campo do diálogo inter-religioso com budistas e muçulmanos para construir juntos a paz”.

Reencontrar valores e identidades comuns às duas Coreias

 

Por fim, Dom Francis Shaw ressaltou que “a justiça social é a igualdade, e tudo isso deve partir da base, ou seja, da família”. Referindo-se ao contexto coreano, disse: “O importante é reencontrar os valores e identidades comuns às duas Coreias. Acrescentou ainda: partindo daí o diálogo e a partilha se tornam possíveis”. Ademais, “será muito importante enfrentar as necessidades urgentes de todos os coreanos, sobretudo para aqueles que vivem no Norte”.

(Fides)

10 setembro 2018, 16:23