Versão Beta

Cerca

Vatican News
Jovens coreanos na Audiência Geral na Praça São Pedro Jovens coreanos na Audiência Geral na Praça São Pedro  (ANSA)

Tema da paz na península coreana reuniu bispos e cardeais em Seul

Nesta terceira edição do Fórum, os principais líderes religiosos católicos da Ásia falaram sobre "Dignidade humana e paz, um caminho para a península coreana".

Cidade do Vaticano

Compartilhar uma abordagem de paz e de reconciliação aplicada à política e à sociedade, compartilhar experiências e lançar uma mensagem de unidade.

Com este espírito, cardeais e bispos de toda a Ásia participaram de um fórum organizado pela Arquidiocese de Seul e realizado em 1° de setembro no campus Seongshin da Universidade da capital coreana.

O encontro, que reuniu bispos e cardeais da Ásia, chegou a sua terceira edição e teve como tema "Dignidade humana e paz: um caminho para a península coreana".

O cardeal Andrew Yeom Soo-jung, arcebispo de Seul e administrador apostólico de Pyongyang, recordou as palavras do Papa Francisco na Coreia do Sul em 2014: “As comunidades cristãs na Ásia são verdadeiramente um pequeno rebanho, mas têm a missão de propagar a luz de Evangelho até o fim do mundo".

O arcebispo Alfred Xuereb, núncio apostólico na Coreia, expressou aos participantes na abertura do encontro a proximidade do Papa Francisco.

Seguiu-se o pronunciamento do cardeal Oswald Gracias, arcebispo de Mumbai (Índia), que afirmou que "é preciso tempo para criar uma cultura de paz no mundo. A proteção e promoção dos direitos humanos é essencial não somente para o bem individual, mas também para o bem comum ".

O cardeal Luis Tagle, arcebispo de Manila (Filipinas), sublinhou que "a paz é uma relação profunda que enfraquece quando as pessoas se tornam indivíduos. A paz acontece quando se está em comunhão com Deus”.

Na segunda sessão do encontro, o cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon (Myanmar), frisou que "onde não há respeito pela dignidade humana, não se pode construir a paz".

Contando sua experiência em Myanmar, disse que "não devemos calar, pelo bem daqueles que sofrem com a pobreza, os conflitos e as injustiças, não devemos calar diante do drama dos deslocados, dos refugiados, das vítimas das novas formas de escravidão e daqueles que choram. A bem da verdade, devemos ser a sua voz”.

O arcebispo Francis Shaw, da Diocese de Lahore (Paquistão), observou que "nós nascemos no Paquistão, e Deus tem um plano de vida para nós. Portanto, devemos ser corajosos e não perder a esperança. Somos nós os pacificadores e aqueles que curam na sociedade”, recordando o compromisso da Igreja local no diálogo com as autoridades religiosas islâmicas.

Na terceira sessão – informa a Fides -  foi realizada uma  mesa redonda sobre o tema "Conviver".

Na quarta sessão, que tratou do tema "vida pacífica", houve vários pronunciamentos de professores e acadêmicos católicos, que abordaram a questão do "caminho da verdadeira paz", trazendo alguns dos escritos do cardeal Kim Soo-hwan.

(Agência Fides)

04 setembro 2018, 11:52