Versão Beta

Cerca

Vatican News
Aleppo, cidade síria - no norte do país - devastada por mais de sete anos de guerra Aleppo, cidade síria - no norte do país - devastada por mais de sete anos de guerra  (AFP or licensors)

Síria. 22 projetos de solidariedade pelo renascimento de Aleppo

São ajudas que permitem à pequena comunidade local levar adiante 22 programas de apoio à população, cristã e não cristã; da reconstrução de casas à promoção humana e social, projetos de microcrédito e formação profissional.

Cidade do Vaticano

Síria. “Temos a alegria de ser uma pequena Igreja, com poucos meios, mas assistida pela Providência que sabe alimentar seus filhos com apenas cinco pães e dois peixes.”

Promoção humana e social

Reconstrução material e espiritual

São palavras do arcebispo de Aleppo dos greco-melquitas, Dom Jean-Clément Jeanbart, que aproveitou a ocasião da recente solenidade da Assunção de Nossa Senhora – padroeira da martirizada cidade síria – para tecer algumas considerações sobre a imane obra de reconstrução material e espiritual e para agradecer àqueles que, nestes mais de setes anos de guerra, defenderam o esforço da comunidade local cristã a fim de permanecer na cidade e, desse modo, manter viva uma presença milenar e insubstituível.

São ajudas que permitem à pequena comunidade local levar adiante vinte e dois programas de apoio à população, cristã e não-cristã, que vai da reestruturação de casas à promoção humana e social, passando por projetos de microcrédito e formação de trabalhadores.

Sustentados pela Divina Providência

Trata-se de vinte e dois programas que o arcebispo não hesita definir como “a mão da Providência”, como se intitula também o relatório atualizado que o prelado quis enviar aos benfeitores como prestação de contas das atividades.

“Atualmente, estamos concentrando os esforços sobre a consolidação das condições materiais e sociais dos cristãos, para ajudá-los a permanecer em seu país”, explica o arcebispo.

Reconstruídas mais de mil casas e lugares de trabalho

Partindo das habitações: até hoje, afirma o prelado, “foram reconstruídas mais de mil estruturas entre casas e lugares de trabalho e concedidos duzentos e sessenta empréstimos sem juros a muitos empreendedores que querem retomar suas atividades”.

“Até então, cinquenta e cinco pessoas foram capazes de voltar para Aleppo e igual número está à espera; sessenta e seis apartamentos destinados a jovens esposos que pretendem voltar para a cidade estão em fase de conclusão”, prossegue.

Assistência médica em várias especializações

No que diz respeito à assistência médica, encontra-se em funcionamento o centro médico diurno que oferece serviços  em onze especializações. “Nossa clínica odontoiátrica, onde toda semana centenas de pessoas recebem assistência, é muito apreciada. Ademais, damos assistência a quase duzentos recém-nascidos, cujo pais recebem um auxílio financeiro até os quatro anos da criança.

Outro âmbito de assistência é o de auxílio às mulheres sírias, as quais “suportaram muito durante estes anos difíceis. Por isso – conta ainda Dom Jeanbart – fundamos o Círculo feminino de Aleppo, administrado por uma equipe de voluntários que, desde o início, suscitou o interesse de um número relevante de mulheres que aqui encontram um pouco de bem-estar e serenidade”.

Cursos profissionalizantes e área de lazer

Oferecemos também cursos de corte e costura, cosméticos e para cabeleireiras. Para os mais jovens, por sua vez, há dois meses foi reestruturada e ampliada uma área de camping dedicada a Nossa Senhora da Alegria.

A bênção do Senhor e a coragem de seguir adiante

Por fim, afirma o arcebispo de Aleppo dos greco-melquitas, “não somos nem uma instituição estatal nem uma ong que dispõe de meios e fundos. Mas temos a alegria de ser uma pequena Igreja com modestos meios humanos, auxiliada pela Providência do Senhor, que sabe como alimentar-nos com cinco pães e dois peixes. O Senhor nos permitiu continuar e abençoou nossos esforços. Isso nos dá a coragem de seguir adiante”.

(L’Osservatore Romano)

20 agosto 2018, 17:18