Versão Beta

Cerca

Vatican News
Edith Stein Edith Stein 

Europa celebra Edith Stein, mulher do diálogo e da esperança

“Na Audiência Geral desta quarta-feira, o Papa Francisco recordou Santa Edith Stein, ilustre filha de Israel, mulher do diálogo e da esperança”.

Cidade do Vaticano

A Igreja celebra nesta quinta-feira, 9 de agosto, a festa de Santa Teresa Benedita da Cruz, no civil Edith Stein, co-padroeira da Europa.

A figura desta mulher de diálogo e de esperança, canonizada por João Paulo II, em 1998, foi recordada pelo Papa Francisco, ao término da Audiência Geral desta quarta-feira (08/8), na Sala Paulo VI, no Vaticano:

“A Europa celebra, nesta quinta-feira, Benedita da Cruz (Edith Stein), mártir e mulher coerente, que buscou Deus com honestidade e amor; uma mulher, mártir do seu povo judeu cristão. Que esta Padroeira da Europa possa, do céu, interceder e proteger a Europa”.

Ouça a reportagem

Quem era Edith Stein?

Edith Stein nasceu em Breslávia, na Polônia, em 1891, e morreu como mártir no Campo de Concentração de Auschwitz, em 9 de agosto de 1942.

Até 1922, Edith dedicou-se totalmente à filosofia e ao estudos dos manuscritos do seu mestre Husserl.

Aos 13 anos de idade, deixou o Judaísmo e tornou-se agnóstica. Durante seu curso de filosofia, começou manter seus primeiros contatos com o Catolicismo. Em 1920, a I Guerra Mundial agravou sua crise pessoal.

Ao ler a autobiografia de Santa Teresa De Ávila, Edith Stein decidiu ser batizada em 1º de janeiro de 1922.

Assim, deixou seu mestre Husserl e começou a lecionar no Liceu Dominicano de Spira, onde passou dez anos. Depois, deixou sua cátedra por causa da legislação anti-semita.

Em 1934, ingressou para o Carmelo alemão de Colônia, recebendo o nome de Teresa Benedita da Cruz. Em 1938, por questão de segurança, foi transferida para o Carmelo holandês de Echt.

Em 1942, o episcopado holandês sofreu as atrocidades nazistas e todos os católicos, não arianos, foram presos.

Irmã Teresa e sua irmã de sangue, Rosa, foram presas pela Gestapo e levadas para o Campo de Concentração de  Auschwitz, onde, na noite de 6 de agosto, foram executadas na câmara de gás.

Santa Teresa Benedita da Cruz foi canonizada, em 1998, por João Paulo II que a chamou “Ilustre filha de Israel” e “filha do Carmelo.”

 

09 agosto 2018, 11:29