Versão Beta

Cerca

Vatican News
Mons. Antonio José Rafael, vescovo emerito di Brangança-Miranda,Portogallo, in Cattedrale per la sepoltura D. António José Rafael, bispo emérito da Diocese de Bragança-Miranda 

Portugal: D. José Rafael, homem de “estilo frontal, lutador e corajoso”

A Missa exequial do bispo emérito de Bragança-Miranda falecido no passado domingo, 29 de julho, foi presidida por D. José Cordeiro, bispo da diocese.

Domingos Pinto - Lisboa

D. António José Rafael, Bispo emérito de Bragança-Miranda, foi a sepultar esta 2ª feira, 30 de julho, no átrio dos bispos da Sé.

Falecido no passado domingo, aos 92 anos de idade, o prelado viveu os últimos anos no Instituto Diocesano do Clero, na Fundação Betânia, na Diocese de Bragança-Miranda, depois de um princípio de AVC, em 2013.

Missa exequial

Na homilia da missa exequial, na Catedral, o bispo da diocese D. José Cordeiro salientou a obra do antigo bispo, que foi responsável pela projeção da nova Catedral de Bragança, uma obra que começou a ser construída em 1981 e foi dedicada a 07 de outubro 2001, no seu último ano à frente da diocese.

“Ler Bragança, conhecer Bragança, estudar Bragança, foram os seus slogans preferidos e atitude assumida”, sublinhou D. José Cordeiro que recordou a grande inspiração que D. António José Rafael teve na figura de São Bento.

Para D. José Cordeiro, o 42.º bispo de Bragança-Miranda era um homem de “estilo frontal, lutador e corajoso” a que “ninguém ficou indiferente na pastoral da justiça e da paz.”

São Bento

“Pensava a Europa como um lugar de Paz e de solidariedade olhando ao seu patrono – S. Bento – com o mote ora et labora et lege. Era um entusiasta da Europa, mesmo antes de 1985 e não invocando argumentos económicos, mas culturais. Possuía uma cultura geral invulgar. Transformou as dificuldades em oportunidades”, sublinhou D. José Cordeiro.

Mensagem de condolências do Papa Francisco

Ainda na celebração exequial, na qual foi lida a mensagem de condolências do Papa Francisco, o Bispo de Bragança-Miranda destacou a obra social da diocese, fortemente impulsionada por D. António José Rafael.

“Em 1987, a Diocese já tinha lares da 3ª idade (como se dizia) com o mínimo de condições em Bragança, Miranda, Macedo de Cavaleiros e Mirandela. Com D. Rafael e também fruto do seu impulso, seguido de D. António Montes Moreira, hoje tem a responsabilidade de mais de 70% das respostas sociais e de justiça entre gerações na Cáritas Diocesana, nas Fundações canónicas, nas Santas Casas da Misericórdia, nos Centros Sociais Paroquiais”, disse ainda D. José Cordeiro.

Oiça
31 julho 2018, 14:17