Versão Beta

Cerca

Vatican News
Igreja em Nokubi Igreja em Nokubi  (ANSA)

Locais do cristianismo no Japão declarados patrimônio da humanidade pela Unesco

São 12 os locais reconhecidos em 30 de junho pela UNESCO, ligados à história das perseguições cristãs na época de Edo (1603-1867). Card. Maeda: "A história dos cristãos escondidos é de perdão e respeito mútuo". Arcebispo de Nagasaki: "O cristianismo japonês reconhecido em sua história".

Cidade do Vaticano

Os lugares do cristianismo "escondido" no Japão são patrimônio da humanidade. A decisão foi tomada em 30 de junho pelo Comitê da UNESCO. Entram na lista da agência da ONU doze locais em Nagasaki e na região de Amakusa, lugares símbolo da perseguição perpetrada contra os cristãos durante o período Edo (1603-1867).

A Catedral de Nagasaki e o "Milagre do Oriente"

 

Um dos locais reconhecidos como patrimônio mundial é a Catedral Oura de Nagasaki, a igreja mais antiga do país, anteriormente um tesouro nacional.

Construída por dois missionários franceses da Sociedade das Missões Estrangeiras em 1864, para homenagear os 26 mártires cristãos - 9 europeus e 16 japoneses - é famosa por um acontecimento que o Papa Pio IX definiu de um "milagre do Oriente".

Após a inauguração, um grupo de pessoas proveniente do povoado de Urakami pediu ao padre Petitjean - um dos dois missionários construtores - para poder entrar na igreja para "saudar Maria". Eles eram "Kakure Kirishitans", descendentes dos primeiros cristãos japoneses forçados ao anonimato, e assim foram seguidos por outras dezenas de milhares de “cristãos escondidos” que iam à Catedral, retomando assim a prática cristã.

Os locais de perseguição

 

Também integra a lista do patrimônio protegido pela Unesco o que resta do Castelo Hara - um dos cenários da revolta "Shimabara-Amakusa" (1637) dos católicos, após a qual a perseguição se intensificou - e o povoado Sakitsu, na prefeitura de Kumamoto (Amakusa), onde os cristãos continuaram a praticar a sua fé em segredo.

Cardeal Maeda: a paz é respeito pelo outro

 

A decisão foi recebida com alegria pela Igreja Católica japonesa. O novo cardeal Thomas Aquino Manyo Maeda - ele mesmo descendente de "cristãos escondidos" - declarou ao Japan Times que o reconhecimento permitirá às pessoas redescobrir a história do cristianismo no Japão, "sintetizado" no perdão e na compreensão: "Este registro traz consigo algo profundo e significativo, em que uma verdadeira paz para os povos vem quando há respeito de uns pelos outros ".

Oportunidade de evangelização

 

Dom Joseph Mitsuaki Takami, arcebispo de Nagasaki, expressa à AsiaNews a mesma satisfação: "Por 250 anos, o cristianismo foi perseguido no Japão. Agora, é reconhecido em sua história e muito mais japoneses começam a se interessar pelo cristianismo. Muitos irão a esses lugares para visitá-los: para nós também é uma oportunidade de evangelizar ".

A história da fé tem valor universal

 

A redescoberta da história cristã japonesa deve envolver também os próprios fiéis, chamados a estudar "a história dos antepassados": por isto, em 1º de abril, a Diocese de Nagasaki inaugurou um museu sobre a história do cristianismo japonês, na antiga residência do bispo. “É preciso recordar a história porque não são as construções que são importantes - Dom Takami - mas a história por trás delas. É essa história da fé que tem valor universal ". (AsiaNews)

Ouça e compartilhe!

Photogallery

Locais cristãos declarados patrimônio da humanidade pela Unesco
02 julho 2018, 15:26