Versão Beta

Cerca

Vatican News
Plano conjunto de reconstrução havia sido anunciado em outubro de 2017 Plano conjunto de reconstrução havia sido anunciado em outubro de 2017  (AFP or licensors)

Igrejas Católica e Ortodoxa reconstroem igrejas, mosteiros e casas na Síria

As duas Igrejas haviam anunciado em 2017 um plano conjunto de reconstrução de igrejas, mosteiro e moradias.

Cidade do Vaticano

As Igrejas Católica e Ortodoxa Russa prosseguem com o plano de reconstrução de igrejas cristãs e mosteiros destruídos durante a guerra na Síria, confirmou no sábado à Ag. Tass o Metropolita Hilarion de Volokolamsk, presidente do Departamento de Relações Exteriores da Igreja Ortodoxa Russa.

A criação de um grupo de trabalho entre as duas Igrejas havia sido anunciado em outubro de 2017. A Ação não se limita à reconstrução de igrejas, mas também de moradias, “questão para a qual são necessário tanto os esforços do Estado como da Igreja”, disse o Metropolita na ocasião.

"Nós assumimos a reconstrução, e algumas igrejas e mosteiros estão sendo reconstruídos agora. Em particular, o trabalho de restauração está chegando ao fim em Maaloula. É um dos principais locais sagrados da Igreja Ortodoxa de Antioquia, um convento construído no local onde a língua aramaica era falada até há pouco", disse Hilarion. "As monjas foram forçadas a deixar o local, mas agora esperamos que elas possam regressar."

 

O Metropolita admitiu que as condições continuam tensas na Síria.

"Por outro lado, temos que começar com algo e já começamos sem esperar pelo momento em que as condições sejam as ideais. Talvez, este momento não chegará logo", disse ele.

O conflito que martiriza a Síria teve início em março de 2011, com protestos que pediam a renuncia de Bashar Al-Assad, sendo duramente reprimidos. De revolta civil, o conflito assumiu proporções inimagináveis na época, envolvendo potências regionais e internacionais..

Antes do conflito, a população síria era de 20 milhões de habitantes. Segundo a Agência das Nações Unidas para os Refugiados, cerca de cinco milhões de sírios abandonaram o país devido ao conflito. Cerca de 500 mil vivem em campos de refugiados e 470 mil perderam a vida.

 

09 julho 2018, 10:06