Versão Beta

Cerca

Vatican News
Cardeal Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Clemente, durante a procissão de Corpus Christi Cardeal Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Clemente, durante a procissão de Corpus Christi 

Patriarca de Lisboa lembra cristãos perseguidos no mundo

Preocupação de D. Manuel Clemente na procissão do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo nas ruas de Lisboa no passado dia 31.

Domingos Pinto-Lisboa

“O Cristianismo, a memória destas coisas que é isso o cristianismo, é hoje a religião mais perseguida do mundo”, disse D. Manuel Clemente na mensagem que dirigiu ao fieis que participaram no passado dia 31, nas ruas de Lisboa, na procissão do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo.

“Todos os anos são milhares os que morrem por ser cristãos e não podem fazer coisas tão belas e tão bonitas como nós conseguimos fazer no coração da nossa cidade”, precisou o Cardeal Patriarca de Lisboa que presidiu à eucaristia que assinalou esta solenidade da igreja.

“É uma imensa graça e uma grande responsabilidade. Somos sinal vivo da sua presença ressuscitada e ressuscitadora no mundo que é o nosso e que, também por nós, é o seu”, referiu o prelado na sua homilia na Sé de Lisboa onde reafirmou Cristo como “Templo vivo no meio de nós”.

D. Manuel Clemente relembrou ainda o papa Francisco quando diz que «Participar na Eucaristia compromete-nos em relação aos outros, de maneira especial aos pobres, educando-nos a passar da carne de Cristo para a carne dos irmãos, onde Ele espera ser por nós reconhecido, servido, honrado e amado».

Ouça a reportagem
04 junho 2018, 16:31