Versão Beta

Cerca

Vatican News
Exposição estará aberta até 13 de junho Exposição estará aberta até 13 de junho  (ANSA)

Mostra na Basílica São João de Latrão sobre perseguições na URSS

O Cardeal Ravasi destacou três aspectos que emergem da exposição: o "ecumenismo do sangue", que "une as nossas Igrejas"; "o tema do martírio cristão é expresso em uma linguagem absolutamente nova, com o uso da cultura digital, mais adaptada à cultura contemporânea" e o fato de que a exposição é significativa não somente para o diálogo ecumênico, mas “também para o diálogo inter-religioso”.

Cidade do Vaticano

Uma iniciativa de profundo valor ecumênico, que leva "ao coração, ideal e espiritual da catolicidade".

Assim o cardeal Gianfranco Ravasi definiu a exposição aberta na Basílica São João de Latrão na tarde de quarta-feira, 30, sobre a história das perseguições e os mártires da Igreja Ortodoxa Russa no século XX, sob o jugo do regime soviético.

Na inauguração da exposição multimídia "Os novos mártires e confessores do Igreja Ortodoxa Russa" - que permanecerá aberta até 13 de junho - estavam presentes, além do cardeal Ravasi, o metropolita Tikhon, presidente do Conselho para a Cultura do Patriarcado de Moscou, e o embaixador russo na Santa Sé, Aleksander Avdeev.

O ano de 2016 marcou o centenário do fuzilamento do imperador Nicolau II e de sua família, bem como o início das perseguições contra a Igreja Ortodoxa Russa, que continuaram de diversas formas e em diferentes intensidades enquanto durou o regime.

Juntamente com a propaganda do ateísmo militante, a autoridade comunista efetuou prisões e fuzilamentos em massa. Um grande número de representantes do clero e de leigos, quase todo o episcopado, conheceram a prisão e a deportação. Muitos deles foram fisicamente destruídos. Alguns religiosos emigraram.

Exposição sobre mártires russos

Uma miríade são os novos mártires e confessores que deram testemunho de fé suportando sofrimento e morte: tudo documentado cronologicamente e em forma de multimídia na exposição na Basílica São João de Latrão,  "a primeira do gênero fora das fronteiras nacionais”, que “mostra o caminho histórico da Igreja na Rússia soviética através do prisma do heroísmo dos de seus novos mártires", explicaram os promotores,  em particular o Conselho Patriarcal para a Cultura e o Fundo de Assistência para a preservação dos valores cristãos, em colaboração com os dicastérios vaticanos da Cultura e da Unidade Cristãos.

O Cardeal Ravasi, que destacou as relações de amizade e colaboração com os escritórios do Metropolita Tikhon (foi ele – disse - a dar-lhe a cruz peitoral que ele usa pendurado no pescoço), falou sobre três aspectos que emergem da exposição: a do "ecumenismo do sangue", que "une as nossas Igrejas e é frequentemente citada pelo Papa Francisco"; o fato de que "o tema do martírio cristão é expresso em uma linguagem absolutamente nova, com o uso da cultura digital, mais adaptada à cultura contemporânea" e o fato de que a exposição é significativa não somente para o diálogo ecumênico, mas “também é significativa para o diálogo inter-religioso”.

“O fundamentalismo - explicou o presidente do Pontifício Conselho para a Cultura - hoje tem pervertido o conceito tão elevado de martírio. Qualquer violência na religião é uma blasfêmia, e esse tipo de martírio é na realidade um assassinato. Aqui, no entanto, ressalta-se a beleza da fé, que nada destrói”.

31 maio 2018, 11:55