Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Patriarca de Babilônia dos Caldeus, Dom Louis Raphaël I Sako Patriarca de Babilônia dos Caldeus, Dom Louis Raphaël I Sako 

Iraque: Dom Sako, voto dos cristãos único caminho para o futuro da comunidade

O patriarca lembra a história milenar dos caldeus da Mesopotâmia, um dos povos mais antigos e autênticos que formam hoje o Iraque.

Cidade do Vaticano

“Diante dos “desafios e mudanças” e não obstante o “declínio demográfico, social e cultural”, dos últimos anos no país, é fundamental “para os caldeus, em particular, e aos cristãos em geral”, a participação “responsável no processo político”. Uma tarefa que deve ser “livre e autêntica, sem medo e sem vínculos que incentivam a migração”.

É o que afirma o Patriarca de Babilônia dos Caldeus, Dom Louis Raphaël I Sako, na mensagem à comunidade caldeia nas vésperas das eleições políticas do próximo sábado (12/05), data importante para o futuro do país, segundo informações de AsiaNews.

No passado, Dom Sako expressou-se recordando a importância do voto e convidando os cristãos a participarem de forma ativa. “Como pastor e pai convido cada um de vocês, sobretudo os caldeus aqui e no exterior, a votar nas próximas eleições parlamentares. Exorto-os a escolher aqueles que poderão desempenhar melhor a tarefa de servir o Iraque e seus habitantes”, ressalta o patriarca.

“Observem bem que as eleições são uma responsabilidade nacional e moral que diz respeito a todos os cristãos, a fim de garantir um governo moderno, civil e fundamentado nos princípios constitucionais.” Este deve trabalhar em vista do “pluralismo, da preservação do patrimônio cultural e da civilização de todas as componentes” do país.

Dom Sako renova o convite a “avaliar com atenção” a oportunidade de fundar partidos ou movimentos que façam referências à “união caldeia”.

O patriarca lembra a história milenar dos caldeus da Mesopotâmia, um dos povos mais antigos e autênticos que formam hoje o Iraque e que muito têm dado no campo da cultura, da poesia, da música, do direito e da astronomia.

“As perseguições do passado e as mais recentes, desde o genocídio assírio-armênio de 1915 à violência de grupos extremistas nos últimos anos não devem assustar. A migração ameaça a presença histórica dos cristãos no Iraque e enfraquece seu papel na sociedade”, conclui o Patriarca de Babilônia dos Caldeus.

Patriarca caldeu sobre voto dos cristãos
06 maio 2018, 15:32