Versão Beta

Cerca

Vatican News
INDIA-RELIGION-CHRISTIANITY-EASTER Mulheres cristãs indianas  (AFP or licensors)

Índia: Igreja no combate à violência contra as mulheres

A arquidiocese de Mumbai promoveu uma manifestação no dia 1º de maio, em seis paróquias da Igreja local, em favor das mulheres e crianças vítimas de injustiças, abusos e violências

Cidade do Vaticano

“Porque somos irmãos e irmãs, porque podemos mudar a situação com a nossa presença, oração e ação. Porque nos importamos com isso”. Com este slogan a arquidiocese de Mumbai promoveu uma iniciativa em favor das mulheres e crianças vítimas de violências. Momentos de oração, encontros de sensibilização, com o auxílio de vídeos, e a assinatura de um memorando a ser entregue ao Governo: são os aspectos mais evidentes da manifestação promovida por seis paróquias da Igreja local.

Uma violência que atinge também as crianças

A iniciativa nasce em um momento particularmente delicado na Índia: nas últimas semanas ocorreram casos de uma violência inaudita. D. John Rodrigues, bispo auxiliar de Mumbai, recorda em particular de “uma criança de oito anos no vilarejo de Rassana, em Jammu; uma jovem de 17 anos em Unnao, em Uttar Pradesh; e uma menina de 11 anos em Surat, em Gujarat”. Todas mortas por violência e pelas quais a arquidiocese deseja mobilizar-se, “envolvendo também pessoas de outras confissões religiosas”. “Queremos – acrescenta o bispo ao Vatican News – que as mulheres sejam tratadas com igual dignidade, e que todos na Índia se sintam realmente irmãos e irmãs, e que as crianças possam viver a sua infância”.

A Igreja próxima das vítimas

“A violência contra as mulheres e as crianças, da qual somos testemunhas em toda a Índia – prossegue o bispo auxiliar de Mumbai – são deploráveis. Até as crianças não estão mais seguras”. Diante de tantas atrocidades a Igreja é chamada a “demonstrar o próprio apoio, a própria proximidade às vítimas”: “crianças abusadas, mulheres que sofreram atos de violências terríveis”. “Com fé e oração – conclui D. John Rodrigues – acreditamos que podemos avançar na construção de um país justo e pacífico”.

02 maio 2018, 09:24