Cerca

Vatican News
Os bispos paquistaneses se encontram, em Roma, em visita ad Limina Os bispos paquistaneses se encontram, em Roma, em visita ad Limina   (AFP or licensors)

Bispos paquistaneses encontrarão o Papa Francisco

Nesta quinta-feira (15/03), os prelados concelebração a missa na capela da Casa Santa Marta com o Papa Francisco e depois se reunirão com o Pontífice para descrever a situação atual do país.

Cidade do Vaticano

“Quando encontrarmos o Santo Padre o convidaremos para ir ao Paquistão.”

Foi o que disse à fundação pontifícia ‘Ajuda à Igreja que Sofre’ (AIS) o Arcebispo de Karachi, Dom Joseph Coutts, que nesses dias se encontra, em Roma, para a visita ad Limina dos bispos paquistaneses.

Nesta quinta-feira (15/03), os prelados concelebração a missa na capela da Casa Santa Marta com o Papa Francisco e depois se reunirão com o Pontífice para descrever a situação atual do país.

Segundo Dom Coutts, o convite é compartilhado pelo governo paquistanês. Em 2015, o então primeiro-ministro Nawaz Sharif enviou dois ministros a Roma para entregar o convite ao Papa.

“O Papa Francisco é muito estimado por todos os paquistaneses, incluindo os muçulmanos. O consideram um homem de paz e apreciam os seus vários passos rumo à comunidade islâmica, como por exemplo as boas relações com al-Azhar. Certamente, para uma possível visita apostólica, teremos que esperar as eleições gerais previstas para 15 de julho próximo e o estabelecimento do novo governo, mas estou confiante”, declarou Dom Coutts.

O clima no país asiático é marcado por uma grande incerteza. “Os principais partidos estão lutando entre si e ainda não surgiu um candidato maduro e sábio. Certamente, haverá tensões e isso não preocupa somente nós cristãos, mas a população inteira.”

A minoria cristã do Paquistão continua sofrendo, sobretudo por causa dos ataques contra as igrejas. O último atentado foi contra a igreja metodista de Quetta, em 17 de dezembro passado. “Infelizmente, nesses anos várias igrejas foram atingidas e por isso no domingo e nos feriados a Polícia vigia os lugares de culto. É um perigo constante e não sabemos onde e quando os terroristas irão atacar novamente. “

Outra fonte de sofrimento para os cristãos é o mau uso da lei anti-blasfêmia. Recentemente, um jovem cristão de Lahore, Patras Masih, foi acusado de ter ofendido o Profeta Maomé e foi preso.

“Mais uma vez, uma pessoa, na maioria das vezes inocente, é acusada sem nenhuma prova e sem possibilidade de se defender. Esta lei, que causa o sofrimento também aos muçulmanos, é mal usada e faltam procedimentos para administrar corretamente os casos.”

 “Além disso, a pressão exercida pelos fanáticos islâmicos impede o bom caminho da justiça”. Segundo o prelado, para impedir o abuso da norma “é preciso uma mudança na mentalidade paquistanesa”.

“O problema da lei anti-blasfêmia está incutido em nossa sociedade que ainda não está pronta para administrar propriamente o fator religioso. O governo não está dando prova de ser forte suficiente para implementar as boas leis que temos, e nós cidadãos estamos cientes de que cedo ou tarde outra pessoa será acusada. Culpado ou inocente que seja.”

A pequena comunidade cristã no Paquistão encontra força na solidariedade internacional.

“Apreciamos muito a decisão de AIS de iluminar o Coliseu de vermelho. Essas iniciativas mostram ao Ocidente que no mundo existem cristãos que sofrem por viverem em países onde não há divisão entre religião e Estado. Sabendo que vocês conhecem a nossa situação e rezam por nós, sentimo-nos incentivados e não mais sós. Obrigado por tudo aquilo que fazem”, concluiu.

14 março 2018, 17:35