Versão Beta

Cerca

Vatican News
“Ofensas contra os sentimentos religiosos ainda gozam em nosso país de uma tolerância social incompreensível”, dizem líderes religiosos “Ofensas contra os sentimentos religiosos ainda gozam em nosso país de uma tolerância social incompreensível”, dizem líderes religiosos  (AFP or licensors)

Espanha: líderes denunciam intolerância e ofensas contra sentimentos religiosos

Cristãos, judeus e muçulmanos espanhóis recordam que se por um lado houve um avanço na sociedade em relação ao respeito e tolerância por certos aspectos, o mesmo não ocorre em relação à "discriminação ou delitos de ódio por motivos religiosos”.

Cidade do Vaticano

A Conferência Episcopal Espanhola, a Federação das Comunidades Judaicas da Espanha, a Comissão Islâmica da Espanha e a Federação das Entidades Religiosas Evangélicas, divulgaram um comunicado conjunto na última terça-feira (20), onde denunciam as reiteradas ofensas e ultrajes aos sentimentos religiosos dos fiéis das diversas Confissões.

Estas instituições, diante deste quadro, expressam preocupação e tristeza, ao mesmo tempo que exortam ao mútuo respeito entre crentes e não crentes e o respeito pelas leis e pela livre convivência pacífica.

Caminho sem retorno

 

Os signatários da mensagem recordam “o caminho sem retorno” empreendido em favor da convivência pacífica, os avanços na “compreensão da natureza perversa dos sentimentos, discursos e atos discriminatórios e de ódio por razões de raça, país de origem, sexo, ideologia política, orientação sexual ou religião” e ao mesmo tempo as leis criadas “para dissuadir, perseguir e castigar as manifestações mais graves e estremas destes comportamentos”.

Mas o mais importante – mesmo que tenha muito ainda a ser feito – foi que “conseguimos desenvolver uma sensibilidade social compartilhada que assinala, exclui e já não tolera tais comportamentos”.

Ódio e delitos por motivos religiosos

 

O mesmo não acontece  - alertam - “com a discriminação ou delitos de ódio por motivos religiosos”.

De fato , “as ofensas contra os sentimentos religiosos ainda gozam em nosso país de uma tolerância social incompreensível”.

“Na Espanha se profanam templos e símbolos, se zomba e escarnece  dos referenciais mais sagrados da fé religiosa de milhões de pessoas, com total impunidade e tolerância”.

Neste carnaval – observam com tristeza -  “observamos com dor um espetáculo embaraçoso com provocações que ninguém admitiria se a ofensa fosse dirigida contra os sentimentos ou valores compartilhados por outros coletivos”.

Esta tolerância e cumplicidade com as ofensas religiosas “nos causa incompreensão” e “nos parece inaceitável que as mesmas pretendam amparar-se na liberdade de expressão”.

Limites da liberdade de expressão

 

A liberdade de expressão – recordam – tem os seus limites, como todo direito, e “não pode ser invocada para causar dano a outra liberdade, nem outro bem jurídico protegido pelas leis, como são a liberdade religiosa e os sentimentos religiosos vinculados a esta liberdade, claramente definidos e protegidos em nossa legislação”.

Trabalho conjunto

 

Ao concluir, as entidades que assinam a mensagem reiteram o desejo de “continuar a trabalhar juntamente com o restante da sociedade espanhola”, no “compromisso e contribuição com as causas da paz, a tolerância, a integração e a convivência em liberdade em prol do bem comum”.

21 fevereiro 2018, 13:57