Cerca

Vatican News
Harare, capital do Zimbabwe Harare, capital do Zimbabwe  (AFP or licensors)

Zimbabué: Acordo entre Estado e Igreja para traduzir a Constituição em 4 línguas locais

Na segunda-feira, 18 de dezembro, a Conferência Episcopal dos Bispos Católicos do Zimbábue (ZCBC) e o ministro da Justiça, Ziyambi Ziyambi, assinaram um acordo para traduzir a Constituição do inglês para as línguas locais

Cidade do Vaticano

Os Bispos do Zimbabwe trabalharão com o governo para traduzir a Constituição do inglês para as línguas locais. Na passada segunda-feira (18/12), a Conferência Episcopal dos Bispos Católicos do Zimbábue (ZCBC) e o ministro da Justiça, Ziyambi Ziyambi, assinaram um acordo neste sentido. Como afirma o Padre Fradereck Chiromba, Secretário Geral da ZCBC, a iniciativa visa "ajudar a nação a compreender melhor a Constituição”.

A gratidão do Estado pelo apoio da Igreja

"A Constituição afirma claramente que se devem ter traduções em todas as línguas reconhecidas oficialmente – sublinha o ministro Ziyambi - Todos deveriam conhecer as disposições constitucionais e em particular, o capítulo quatro que diz respeito aos direitos fundamentais". "O apoio dos bispos na tradução em quatro línguas, portanto, é algo de que estamos muito gratos - continua o representante do governo – Apreciamos tais iniciativas e estamos muito reconhecidos, porque isso contribuirá grandemente para promover a conscientização pública sobre a Constituição”.

A importância de uma governação partilhada

Por seu lado, o Procurador-Geral Prince Machaya ressalta que a tradução da Constituição marca um momento decisivo no qual a Igreja se apresenta como um parceiro importante nas questões de governação. "Esta parceria sublinha a importância da Igreja para o governo do País", afirma o Procurador-geral

A crise política nacional

Recorde-se que o Zimbabwe está passando pela fase de transição mais importante da sua história, depois da renúncia do Presidente Robert Mugabe, no poder desde a independência em 1980, e com a nomeação do Presidente Mnangagwa, que guiará o País às eleições gerais de setembro de 2018 

compartilhe

(Agência Fides 21/12/2017).

23 dezembro 2017, 12:12