Cerca

Vatican News
Especialmente no norte da Nigéria, cristãos são submetidos a violências diárias Especialmente no norte da Nigéria, cristãos são submetidos a violências diárias   (AFP or licensors)

Comprometimento do Episcopado alemão na ajuda aos cristãos perseguidos

Atenção especial é dedicada aos cristãos no norte da Nigeria, perseguidos pelo Boko Haram. Desde 2009, de fato, cerca de 20 mil pessoas foram barbaramente assassinadas pela seita islâmica, em inúmeros atentados terroristas.

Cidade do Vaticano

A Conferência Episcopal da Alemanha reiterou seu compromisso na ajuda às comunidades vítimas de perseguições e violências.

Ao apresentar um opúsculo sobre atividades em favor dos cristãos perseguidos na Nigéria, Dom Ludwig Schick, Arcebispo de Bamberg e responsável pelas missões da Conferência Episcopal, evidenciou as dificuldades a que tantas pessoas são submetidas cotidianamente.

A publicação do opúsculo faz parte da iniciativa "Solidariedade com os cristãos perseguidos e oprimidos em nossos tempo".

Boko Haram na Nigéria

Especialmente no norte da Nigéria - explicou o prelado, citado pelo L'Osservatore Romano - os cristãos sofrem os efeitos da violência de radicais islâmicos, os ataques às igrejas e aos locais de culto, os sequestros e as brutais violências por parte do grupo extremista Boko Haram.

Desde 2009, de fato, cerca de 20 mil pessoas foram barbaramente assassinadas pela seita islâmica, em inúmeros atentados terroristas.

Em 16 de outubro em Benin City, por ocasião de um encontro nacional dos católicos nigerianos para renovar a consagração do país africano a Virgem Maria e rezar pela paz, unidade e reconciliação, 29 civis foram brutalmente assassinados dentro de uma escola onde haviam se refugiado para escapar de um grupo de homens armados.

Religiões pela paz e a reconciliação

Dom Schick, que em abril passado visitou o país africano, enfatizou o papel positivo desempenhado neste contexto pelas confissões religiosas comprometidas no processo de paz e de reconciliação do país.

O prelado recordou que graças ao esforço conjunto da Igreja Católica e de expoentes muçulmanos locais, em algumas regiões da Nigéria foi alcançado um ambiente de paz que tem se mantido.

14 dezembro 2017, 17:12