Busca

Vatican News
Sacerdotes durante uma celebração em Luanda (Angola) Sacerdotes durante uma celebração em Luanda (Angola) 

Angola. Religiosos defendem importáncia da ética no combate à corrupção

Em Angola mais de dois milhões de dólares foram apreendidos no estrangeiro, no âmbito da luta contra a corrupção, e os líderes religiosos defendem a importância da ética na prevenção e combate à corrupção.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

Os líderes religiosos em Angola consideram que um dos mecanismos mais efectivos de prevenção e combate à corrupção é o desenvolvimento da ética dentro das instituições.

Dois mil e quinhentos milhões de dólares, em dinheiro, bens, património e participações sociais, dos quais 2.100 milhões de dólares foram apreendidos no estrangeiro, no âmbito da luta contra a corrupção e a aquisição ilícita de bens por cidadãos angolanos: os dados foram avançados pelo Chefe de Estado angolano, João Lourenço, a 15 de outubro de 2021, no seu discurso sobre o estado da nação.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

Para o Secretário da Comissão de Justiça e Paz da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), as instituições públicas e privadas em Angola precisam repensar a vida em sociedade e repensá-la desde a perspectiva ética, desta forma, a cruzada contra a corrupção terá sucesso.  

“A ética é construída por uma sociedade com base nos valores históricos e culturais e, de acordo com o ponto de vista da Filosofia, trata-se de uma ciência que estuda os valores e princípios morais de um povo e seus grupos”, assim considera o Reverendo Ntoni Nzinga.

O Pastor da Igreja Evangélica Batista de Angola defende que a cultura ética deve começar nas famílias.

O Estado angolano, segundo o presidente Lourenço, teria sido lesado  em pelo menos 24 mil milhões  de dólares norte-americanos e no âmbito do processo de recuperação de activos, Angola já recuperou bens imóveis e dinheiro no valor de 4.904.007.841,82 de dólares.  

Para o Frei Júlio Candeeiro, Superior dos Frades Dominicanos em Angola e Director do Instituto Mosaiko, “ a um dado momento o que deve definir a pessoa humana é a perspectiva ética – moral”.

“As nossas famílias e instituições precisam cultivar a cultura ética a partir da base”, acrescenta o sacerdote.

E o Magistrado do Ministério Público, Edy Burety, da Direcção Nacional de Prevenção e Combate à Corrupção da Procuradoria-geral da República de Angola, defende a expansão do programa de prevenção e combate à corrupção, nas camadas de base, nomeadamente nas escolas, Igrejas, e famílias, para que, desde a tenra idade, as crianças saibam observar os princípios éticos e morais.

28 outubro 2021, 12:40