Busca

Vatican News
Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) 

Angola. CEAST celebra 54 anos e aposta na formação dos agentes da pastoral

A Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) celebrou 54 anos de existência, consolidar e expandir o evangelho, bem como a formação dos agentes pastorais entre os principais desafios, destaca Dom Filomeno do Nascimento Vieira Dias, presidente da CEAST.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

“A maturidade de uma Igreja é algo que se conquista no dia-a-dia pela autenticidade de vida, pela credibilidade e confiança que se transmite à comunidade e pela capacidade que esta Igreja tem de corporizar em acções e atitudes as grandes opções do Evangelho”, realçou Dom Filomeno do Nascimento Vieira Dias, Presidente da CEAST, nas comemorações do 15 de abril, dia de fundação da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé.

Oiça aquia reportagem e partilhe

O principal desafio da CEAST nestes 54 anos de existência passa pela autenticidade na vivência da fé, ou seja o anúncio de Cristo, afirmou Dom Filomeno.

A Conferência Episcopal, que reúne os Bispos de Angola e São Tomé, foi criada em 1967, anteriormente incluía também Moçambique. A independência de Portugal, em 1975, marcou um novo capítulo também na história da Igreja em Angola e São Tomé, com a erecção de novas dioceses e a consolidação de comunidades católicas.

Actualmente, a Conferência tem 20 dioceses, integradas em 5 Províncias Eclesiásticas.

Dom Filomeno reforçou a ideia de que mais dioceses devem ser criadas para que o serviço pastoral seja cada vez mais abrangente, num País que é bastante extenso, e nos últimos tempos, tem registado um crescimento populacional considerável.

Os Bispos da CEAST lembram que depois da independência de Angola (1975), a Igreja foi necessária para o trabalho de reconciliação, principalmente durante a guerra civil (1975-2002), com as “suas observações e apelos à paz”.

Nestes 54 anos de existência a CEAST reafirma que o papel da Igreja continua o mesmo, “com a doutrina de ajudar, lutar pelos direitos e felicidade de cada um”.

22 abril 2021, 09:51