Busca

Vatican News
Dom Emmanuel Adetoyese Badejo, Bispo de Oyo (Nigéria) Dom Emmanuel Adetoyese Badejo, Bispo de Oyo (Nigéria) 

África. Bispos apelam ao diálogo inter-religioso, em tempo de Ramadão

Um apelo ao diálogo inter-religioso e uma condenação das violências prolongadas pelas quais cristãos e muçulmanos continuam a pagar o preço em África, foram lançados pela diocese de Oyo, na Nigéria, na sua mensagem de melhores votos aos seguidores do Islão por ocasião do mês do Ramadão, que começou nesta terça-feira.

Cidade do Vaticano

Na mensagem do Bispo da Diocese de Oyo, Dom Emanuel Badejo, se destaca em particular que este ano o mês sagrado dos muçulmanos coincide com o tempo pascal que os cristãos ainda estão a viver: uma coincidência que desperta entusiasmo.

Oiça aquia reportagem e partilhe

Ao mesmo tempo, observa-se "com pesar" o aumento dos assassinatos perpetrados em diversos países da África Ocidental através de ataques indiscriminados que "têm como alvo tanto a cristãos como aos muçulmanos". “Estamos muito preocupados – afirma o Bispo de Oyo, Dom Emanuel Badejo - com o actual índice de violência, sequestros, banditismo e derramamento de sangue no nosso País.” “Isto está a acontecer indistintamente a cristãos e muçulmanos e está tornando difícil a vida diária e o sustento de todos”, sublinha o prelado.

Daí, a exortação para que seja tutelada a cultura africana que "respeita a sacralidade da vida e os direitos de todos os cidadãos e protege a convivência harmoniosa": um objectivo pelo qual os próprios cristãos e muçulmanos se devem unir, promovendo "as virtudes da equidade, da paz e da justiça ”, para devolver “as sociedades da África Ocidental ao caminho da serenidade e da prosperidade”. «Como católicos, estamos abertos a trabalhar com os muçulmanos para um desenvolvimento humano fecundo e holístico que melhore o futuro das nossas crianças e da sociedade», conclui o bispo de Oyo.

Em Maurícia, por outro lado, o Conselho Nacional das Religiões na sua mensagem aos muçulmanos se detém nas consequências da pandemia da Covid-19 para os ritos islâmicos. “Por dois anos consecutivos – lê-se no documento - as mesquitas permaneceram fechadas. Felicitamos, portanto, os fiéis muçulmanos que souberam adaptar-se a viver o mês sagrado de Ramandão em casa, com o mesmo fervor dos tempos normais”. O Conselho afirma ainda estar optimista que este mês de jejum represente para a comunidade islâmica “um impulso de solidariedade para contribuir para as necessidades dos outros e sobretudo dos mais necessitados na sociedade».

“A espiritualidade que nos aproxima de Deus Criador - continua a mensagem - nos levará a aproximar-nos dos nossos irmãos para que tenham que comer e não sofram com a precariedade da vida que destrói a dignidade dos seres humanos”. “Que o Deus misericordioso - conclui a mensagem - conceda aos muçulmanos a sua graça neste tempo de jejum, para que as suas orações sejam atendidas”.

14 abril 2021, 15:51