Busca

Vatican News
D. George Cosmas Zumaile Lungu, Bispo de Chipata e Presidente da Conferência Episcopal da Zambia D. George Cosmas Zumaile Lungu, Bispo de Chipata e Presidente da Conferência Episcopal da Zambia 

Zambia. Apelo dos Bispos: "Combater com todos os meios a pobreza"

Os Bispos da Zambia exprimiram recentemente grande preocupação com o colapso da economia e os seus efeitos sobre a população mais pobre. Numa nota, o presidente da Conferência Episcopal, D. George Cosmas Zumaile Lungu, Bispo de Chipata, convidou o governo a sair da sua "zona de conforto" e "tomar nota do grito silencioso do nosso povo".

Cidade do Vaticano

A dívida da Zambia, de facto, cresceu mais do que o dobro nos últimos cinco anos, passando de 4,8 bilhões de dólares em 2014 para 11,2 bilhões em 2019. E também a inflação crescente preocupa o episcopado, aliás a taxa anual da Zambia atingiu o seu nível mais alto nos últimos quatro anos (17,4 por cento), o kwacha (moeda local) se desvalorizou 33% em relação ao dólar. Os preços ao consumidor aumentaram de 16% em relação ao ano anterior.

Tudo isto causou, como documentado num recente relatório da "Jesuit Justice and Ecology Network Africa" ​​(Rede de Justiça e Ecologia dos Jesuítas em África – Jena, sigla em inglês), "um rápido enfraquecimento da economia que está pondo em perigo a vida económica e social dos cidadãos comuns, especialmente os pobres, os marginalizados e os vulneráveis​​”. Segundo o centro de estudos dos Jesuítas, “o défice fiscal, a taxa de inflação e a depreciação da moeda estão em aumento – adverte Jena - e não é a primeira vez que a Zambia se encontra numa crise de dívida. O governo deve aprender com estas experiências e encontrar uma solução duradoura para evitar que se encontre constantemente nesta situação ”.

A Zambia, um dos maiores produtores mundiais de cobre, precipitou numa crise da dívida porque a pandemia de covid-19, além de ter causado pouco mais de 400 mortos e mais de 21 mil infectados, também prejudicou a sua economia e expôs a sua dívida pública como insustentável. A este respeito, a Rede de Justiça e Ecologia dos Jesuítas em África exorta os governantes a "pôr em prática um mecanismo transparente de redução da dívida e uma estratégia de sustentabilidade". Jena argumenta que “a maturidade da nossa independência e democracia será medida pela efectiva disposição dos nossos líderes de pensar no bem comum e não no seu próprio enriquecimento”.

Em várias ocasiões, os Bispos têm tentado sensibilizar não só as autoridades governamentais, mas também a opinião pública, para as questões críticas do País e para as camadas mais fracas da população. “Todos teriam que comer, entre agora e o final de dezembro de 2020 - declararam os prelados em setembro passado - se cada um de nós oferecesse mesmo apenas o equivalente a 26 centavos de dólar por mês numa paróquia em toda a Zambia”.

05 janeiro 2021, 15:18