Busca

Vatican News
Bispos da CEAST - Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe Bispos da CEAST - Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe 

Angola - CEAST preocupada com a pobreza no país

Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) voltam a manifestar preocupação com a pobreza extrema de muitas famílias angolanas.

Anastácio Sasembele - Luanda

Para os Bispos a situação social em Angola vai se degradando vertiginosamente e o surgimento da pandemia da Covid-19 veio aumentar os desafios de muitas famílias, aliado estes problemas esta a onda de manifestações de jovens que reivindicam por empregos.

No dia mundialmente consagrado ao pobre (15/11) as mensagens dos bispos da CEAST giraram em torno da necessidade de se encontrar soluções urgentes e viáveis para a resolução destes problemas.

D. Jesus Tirso Blanco, bispo do Luena (Moxico) apelou para a necessidade de se encontrar, urgentemente, fórmulas para se combater as violências motivadas pela fome.

Muitas violências que se assistem actualmente, segundo o prelado resultam da extrema pobreza que muitas famílias vivem e a miséria merece respeito, disse Dom Tirso.

E na diocese de Caxito, D. Maurício Camuto disse que Angola precisa de projectos exequíveis e não de políticos que lutam contra os pobres. É tempo de dizer basta aos que se aproveitam da política para se enriquecerem, concluiu o prelado.

E o Bispo da Diocese de Benguela Dom António Francisco Jaca espera que aqueles que dilapidaram os bens públicos pensem nos pobres do país.

O prelado acrescentou ainda que são muitas as leis criadas que visam beneficiar os corruptos e prejudicar os mais necessitados. Dom Jaca pediu a Deus para que todos aqueles que roubaram o país pensem nos pobres.

E na diocese mais ao norte de Angola, Cabinda veio a mensagem de D. Belmiro Chissengueti, o prelado afirmou que a falta de visão de muitos angolanos leva que os talentos da riqueza natural que possuímos não os vemos reflectidos na vida diária.

Para contrapor a dura situação de pobreza por que passam muitas famílias o governo angolano têm gizado vários programas de apoio aos mais vulneráveis.

O projecto de transferências sociais monetárias “Luanda Emergência Covid-19”, de iniciativa do governo de Luanda é um exemplo, o projecto visa assegurar que 1.200 crianças, de 0 a 5 anos, tenham sua saúde, nutrição e protecção melhoradas durante a emergência da Covid – 19, através de um Programa Integral de Protecção Social.  Para a primeira fase de pagamento, o programa pretende pagar  um total de 519 Famílias e 908 Crianças.

Oiça
17 novembro 2020, 13:06