Busca

Vatican News
Bispos da Conferência Episcopal da Nigéria (CBCN) Bispos da Conferência Episcopal da Nigéria (CBCN) 

Nigéria. Iniciam no próximo dia 22 de agosto 40 dias de oração pela salvação do País

Invocar a ajuda de Deus para pôr fim à crise nacional: é o motivo que levou a Conferência Episcopal da Nigéria (CBCN) a convocar "40 dias de oração pela salvação do País". A iniciativa - lê-se no site da Recowa-Cerao (Conferência Episcopal Regional da África Ocidental) - terá início a 22 de agosto e terminará no dia 30 de setembro, véspera da Festa da Independência.

Cidade do Vaticano

Durante os 40 dias de oração os fiéis são convidados a rezar diariamente, às 12 horas locais, depois da oração do Angelus, um Pai-Nosso, três Ave-Marias e um Glória ao Pai. E no dia 1 de outubro, para celebrar a independência nacional, os prelados nigerianos recomendam a recitação do Rosário, em particular os Mistérios Dolorosos.

A decisão dos Bispos surge do clima de grave insegurança e violência que se respira no País, devido aos atentados perpetrados nos últimos meses por diversos grupos militantes que, entre sequestros e homicídios, têm os cristãos como alvo, ao ponto de se falar de “genocídio” em vários ambientes. Uma situação que a CBCN denuncia e deplora com veemência, pedindo ao governo para que “acabe decididamente com o assassinato de pessoas inocentes”.

Não haverá desenvolvimento construído sobre sangue inocente

“Estamos todos cansados ​​desta situação - escrevem os prelados numa nota – os nossos corações estão a sangrar e nós estamos cada vez mais preocupados com os massacres em curso”. Daí o apelo às autoridades competentes para que garantam que “os autores dos homicídios sejam julgados”, porque “onde não há justiça não pode haver paz e onde não há paz não pode haver desenvolvimento”. Acima de tudo, a CBCN recorda que “nunca haverá desenvolvimento sustentável construído sobre o derramamento de sangue de pessoas inocentes, brutalmente assassinadas por fundamentalistas”.

Perda de vida não promove nenhuma religião ou projecto político

Convidando, em seguida, os líderes políticos a não instrumentalizar tais homicídios, os Bispos nigerianos reiteram: “A perda da vida de qualquer nigeriano não ajuda a promover nenhuma religião ou nenhum projeto político”. Além disso, olhando para as promessas feitas pelo governo actual durante a campanha eleitoral, a Igreja de Abuja exorta o executivo a "erradicar a corrupção, garantir a segurança para a vida e a propriedade privada, fazer crescer a economia, criar empregos e um ambiente favorável ao desenvolvimento do sector privado ”.

Ao mesmo tempo, os prelados destacam que o governo prometeu aos nigerianos "um aumento significativo no fornecimento de eletricidade, uma assistência sanitária de qualidade e a preços acessíveis para todos e a renovação do sector da educação". “Estas promessas permaneceram uma recordação distante”, escreve a Igreja nigeriana, mas agora devem ser “prioritárias”.

Prosperidade e liberdade para cada nigeriano

E dirigindo também uma oração por todas as pessoas afectadas pelos ataques, os prelados dizem que estão confiantes em Deus para fazer "o que é humanamente possível para assegurar a prosperidade e a liberdade para cada nigeriano". “Devemos ser instrumentos de perdão e reconciliação - conclui a CBCN - devemos caminhar na via da justiça e da paz para todos no País. Que Deus nos dê coragem para trabalharmos para isso e que abençoe a Nigéria.

13 agosto 2020, 12:36