Busca

Vatican News
POPE-MOZAMBIQUE/HOLY MASS POPE-MOZAMBIQUE/HOLY MASS 

Manter aceso o fogo da esperança atiçado pelo Papa

No Ângelus do domingo, 23 de Agosto, o Papa Francisco referiu-se, pela terceira vez, à situação que se vive em Cabo Delgado e recordou a sua visita a Moçambique, há um ano atrás. Também os Bispos de Moçambique recordam essa efeméride numa Nota Pastoral em que evocam a actualidade da mensagem deixada pelo Papa ao país, na actual conjuntura nacional.

Dulce Araujo - Cidade do Vaticano 

Desejo voltar a sublinhar a minha proximidade à população de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, que está a sofrer devido ao terrorismo internacional. Faço-o, na viva recordação da visita que realizei àquele País há cerca de um ano.”

Palavras do Papa Francisco por ocasião do Ângelus deste domingo. Efectivamente há quase um ano que o Papa Francisco visitou Moçambique. Foi de 4 a 6 de Setembro de 2019.

Com vista nesta efeméride, a CEM, Conferência Episcopal de Moçambique,  emitiu no passado dia 20 uma nota pastoral  de júbilo e gratidão por esse sinal de proximidade e solidariedade do Papa para com todos os moçambicanos, especialmente os afectados pelos ciclones Idai e Keneth e as vítimas da guerra no norte e centro do país.

Papa manifesta proximidade a Cabo Delgado

Intitulada “Esperança, paz e reconciliação” a nota é dirigida aos fiéis católicos e a todas as pessoas de bem. Nela os bispos fazem notar que para além da visita ao país, o Papa Francisco já manifestou em duas ocasiões a sua preocupação pela dramática situação que se vive em Cabo Delgado: na sua mensagem urbi et orbi no dia da Páscoa deste ano e no telefonema do dia 19 deste mês ao Bispo de Pemba, D. Luiz Fernando Lisboa, telefonema de proximidade, solidariedade, bênção e encorajamento a ir adiante.

Os bispos agradecem a todos aqueles que, a diversos níveis, fizeram de tudo para que a Visita Apostólica de Francisco fosse um sucesso.

Actualidade da mensagem do Papa

A CEM fala depois da actualidade da mensagem dessa Visita Apostólica, que teve como lema “Esperança, paz e Reconciliação”, definindo-a um verdadeiro programa de acção. Os Bispos recordam também que Francisco deixou a Moçambique  palavras de encorajamento, animação e orientação para a actual conjuntura nacional, marcada pela ausência de uma paz efectiva. E como Pastores, insistem na ideia de que o mal não terá a última palavra; estão convictos de que tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus.

Acabar com a violência

“Na construção da paz genuína – escrevem – exige-se a colaboração e o optimismo de todos os cidadãos e de todas as forças vivas. Um desafio que deve ser abraçado por todos com coragem e fé.” – advertem e esclarecem que a cultura da paz requer reconciliação e que isso reclama antes de mais uma mudança de mentalidade da parte de todos e de cada um. E afirmam que “é preciso acabar com a violência e, com transparência, levar a bom termo o processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração dos homens da RENAMO, de Descentralização de poderes, de dialogo sincero e participação de todos os intervenientes políticos e civis.”

Renovado empenho para pôr em pratica o lema da Visita

Como Igreja, os Bispos prometem não poupar esforços em encorajar e apoiar estes processos de promoção de uma cultura de paz. O lema da visita “Esperança, Paz e Reconciliação” exige – recordam – um continuado e renovado empenho para a sua concretização. Ninguém pode descansar enquanto Moçambique não alcançar uma paz autentica e efectiva - advertem.

Aumentar o contágio da solidariedade e do amor

Os Bispos citam, na sua nota, diversos momentos e discursos do Papa em Moçambique relacionados com as três palavras do lema da visita, visita que – dizem - atiçou o fogo da esperança e os moçambicanos são hoje desafiados a não deixar que esse fogo se apague. Da sua parte, como Bispos Católicos de Moçambique  – afirmam ter “plena consciência dos muitos e delicados desafios que constitui viver o lema dessa visita e a mensagem deixada pelo Papa. E neste primeiro aniversário e no contexto da pandemia do COVID-19 reiteram - com o Papa Francisco – a exortação a manter a luz da esperança sempre acesa e a aumentar os contágios da solidariedade e amor.

24 agosto 2020, 10:28